15    mar 201318 Comentários

As gerações e a sua genealogia.

Curiosamente, pesquisando na internet, sobre árvore genealógica, família e outros temas, encontrei uma pergunta feita por um curioso jovem a sua professora sobre o tema geração.

A questão estava voltada para o tempo das gerações.

A resposta me intrigou e eu decidi levantar mais sobre o assunto que acabou virando genealogia, filosofia e matemática.

A nossa árvore genealógica, pressupõem que cada Ser Humano tem em sua linha sanguínea duas figuras acima de si, o pai e mãe. A genealogia vai além nas gerações e busca a história da pessoa em diversas gerações acima destes dois únicos elementos. São os avós, bisavós e uma sequencia que dobra a cada geração.

Quanto tempo dura cada geração?  Quantas pessoas existem em cada geração?

Segundo Heráclito de Éfeso, filosofo grego, nascido aproximadamente em 535 a.C., o tempo de cada geração foi definido como sendo de 30 anos ou o tempo que um pai levaria para conhecer o seu primogênito. É claro que este tempo é variável de pai para pai, mas Heráclito calculou a média de idade. Já a Bíblia, considera entre um geração e outra o tempo de 40 anos.

Usei Heráclito como referência, para efeito de cálculos para simplificar porque os números poderiam ser astronômicos, e defini as gerações acima de apenas um probandus (pessoa a ser estudada) e fui calculando a quantidade de pessoas que teria em cada geração acima até o número de 21 gerações sem considerar os parentes laterais como, esposa, irmãos, ou irmãos do pai e nem da mãe e nem irmãos dos avós, somente as pessoas diretamente ligadas uns aos outros.

Veja como ficou a tabela: Clique para ampliar.

Usando a matemática, e colocando sempre 2 pais, 4 avós, 8 bisavós e assim por diante, fiz os cálculos para 21 gerações ou 630 anos de história pela estimativa de Heráclito. Ao final, somei todas pessoas de cada geração e cheguei ao número de 4.194.302(*) ( quatro milhões, cento e noventa e quatro mil e 302 pessoas) em apenas uma árvore genealógica. Mas seria de espantar este número se não considerarmos que as pessoas não estavam vivas todas ao mesmo tempo, mas, a vinte e uma gerações atrás, viviam no mundo 2.097.152 pessoas que são os antepassados de nosso hipotético probandus.

Se formos considerar a união matrimonial do nosso probandus, teríamos que dobrar o resultado, pois a genealogia da esposa também teria o mesmo número.

Estas curiosidades levam a várias perguntas interessantes, como por exemplo:

Qual é possibilidade entre os 2.097.152 habitantes viventes da Terra em 1400 d.C. que poderia ter sido parentes entre si?

Qual a possibilidade que encontramos entre os habitantes de Portugal em 1400 que teriam sido descendentes diretos da Nobreza e que estivessem ligados também a estes nossos antepassados ?

Com estas duvidas e considerando ainda a população mundial daquela época, é bem provável que sejamos parentes e um dia, nossas árvores irão se encontrar de alguma forma.

(*) Na nossa primeira postagem cometemos alguns erros na imagem o que levou a correção dos números pelos nossos leitores. Obrigado a todos que nos auxiliam com as suas observações.

Comentários (18) Trackbacks (0)
  1. Gostaria de entender porque a primeira geração começa com quatro pessoas.
    Eu entendo que a primeira geração são os pais, portanto duas pessoas.

    um abraço
  2. Olá Roberto,
    Obrigado pela sua orientação, nos passou despercebido este detalhe e já consertamos a imagem. Uma falha que nos passou despercebida e que foi muito bem observada por você.
  3. Muito interessante.Vou continuar a seguir suas postagens, pois é um aprendizado.Adoro história e genealogia.
  4. O cálculo está errado a partir da 10ª geração. O correto seria 1024 ao invés de 1064, e assim por diante...
  5. OLá Wesley,

    Obrigado pela observação e ajuda, definitivamente precisamos melhorar nossa equipe de desenho. (rs)
  6. A genealogia é algo realmente fascinante, a minha árvore genealógica tem tantos casamentos entre parentes, que vira um verdadeiro quebra-cabeça calcular quantos antepassados eu tinha até certa geração. Pra ter uma ideia, em minha 5ª geração ao invés de 32 pessoas tenho apenas 18. A medida que subimos em nossa árvore, a probabilidade de achar um nobre é maior, meu antepassado de 19 gerações, era senhor feudal de Vimioso em Portugal, e por este descendo de reis como Carlos Magno, Hugo Capeto e Fernando I de Castela. Abraços.
  7. Por que será que todo mundo diz que tem um nobre na família? Ninguém fala dos parentes pobres.
  8. 1- A demonstração genealógica, com a ferramenta da matemática é interessante, sob o ponto de vista teórico.
    Todavia, sempre é bom lembrar, sobretudo entre as famílias brasileiras que remontam ao período colonial, haver casamentos entre parentes próximos, mesmo sob a "necessidade" da aprovação da igreja (católica) de sua dispensa, em relação aos graus de parentesco.
    Sendo assim, até pouco tempo, muitos casais tinham em comum - os mesmos - trisavós, bisavós e até mesmo avós.
    Tal particularidade não é uma característica brasileira. Para não ir tão longe, imagine a colonização da américa do norte, pelas 102 famílias de protestantes puritanos, motivados pela perseguição religiosa na Inglaterra, empreenderam viagem (1620) à bordo de um navio cargueiro de nome MYflower (Flores de maio).
    Nota: naquela sociedade puritana calvinista não era possível casamentos com os locais (nativos). Em, contrário, no Brasil, a colonização deu-se através de casamentos e alianças com os locais (nativos), em período que antecede a 1500.
    Também podemos mencionar a colonização Boer fundando a República do Estado Livre de Orange, com aproximadamente 13.000 habitantes de origem boer. Orange foi anexada à Africa do Sul (coroa Britânica);após uma guerra desigual (1899 a 1902), conhecida como "a guerra dos boers" etc..

    2 - Permitam-me acrescentar sobre a menção do assunto "nobre na família" abordado por Domingos Miranda, acima: - Concluímos, após alguns anos de entrevistas e correspondências com interessados em genealogia, que tal abordagem ou menção, vai naturalmente se exaurindo com o aperfeiçoamento e conhecimento sobre os assuntos de família/genealogia. Portanto, a ênfase inicial em detectar algum "nobre na família" é muito comum aos não iniciados em genealogia.

    2.1. Sobre " Ninguém fala dos parentes pobres". Entendemos que a leitura não é bem assim; pois, ninguém fala de ninguém, são os registros, a história, é que "fala". A leitura, escrita e registros, em outros tempos não eram populares, somente alguns privilegiados e que tinham acesso. A maioria da população era "naturalmente" analfabeta, somente uma pequena fração da população era alfabetizada.


    Fraterno abraço.
  9. Excelente o texto de Abilon Naves, não seja por isso, tenho muitos ascendentes humildes e pobres, mas a história infelizmente registra apenas os "parentes nobres" e dos "parentes pobres" não tenho nada a respeito de quem foram e o que fizeram a não ser o nome, mas todos estão registrados em minha árvore genealógica. Abraços.
  10. Estes assuntos de Genealogia e outros relacionados ao tema são deveras apaixonantes. Nada mais saboroso do que procurar e encontrar relações entre as famílias que nos cercam. O fato de estarmos vivendo neste tempo tão cheios de recursos para compartilhamento e registro de informações nos deixa ainda mais alegres ao perceber que as gerações futuras vão poder uma visão quase "on-line" das suas famílias e ancestrais. Parabéns pelo site!!!!
  11. Estou iniciando agora. Devagar chego lá. Quero ir ao maximo... Valorizar familia é importante ate para a cura de nossos problemas... Vou ter boas surpresas, com certeza.
  12. ... olá Sr. Walter Olivas ...
    ... tenho lido os comentários aqui postados ... sejam de questionamentos ... sejam de soluções ... e tenho aprendido muito com eles ... e com certeza vou aprender muito mais ... mas sempre temos algumas duvidas como : nas comunicações de eventos a exigência de e-mail válido para antepassados falecidos ... parentes com dificil acesso à internet ou sem ela ... recém-nascidos ... para adicionar um parente ... nos quais há um certo temor de fornecer dados de identificação pelas redes sociais ... quero aprender mais ... Wither ...
  13. Como sempre, a genealogia me fascina cada vez mais, quanto mais pensamos de saber, menos o sabemos...
  14. Waiter Olivas parabens por esta pagina. FASCINANTE.
  15. ... olá Sr. Walter Olivas ...
    ... os comentários sempre nos ajudam muito ...
    ... o que não sabemos é justo aquilo que nos ensina ... tenho dúvidas na inserção de "cônjuges" ... sei que a partir do casamento o cônjuge passa para a árvore genealógica que estamos construindo ... o que se deve exigir( pedir) dele : foto ... nome ... local e data de nascimento ... filiação ... a minha dúvida está aqui ... basta a primeira geração ascendente ? ... ou não há limites ? ... quero aprender mais ... obrigado ... Wither
  16. Olá Wither,

    O modo que MyHeritage adotou para a montagem de árvore genealógica é de crescimento infinito, você pode ir incluindo os familiares dos cônjuges de seus parentes diretos, isso fará com que se abra um novo ramo familiar e assim, a sua árvore irá crescendo. Não se preocupe com a visualização da árvore ou dos relatórios e livros, ao solicitá-los eles serão devidamente separados ao se solicitar a pessoa inicial. Desta forma, ao solicitar, por exemplo o seu bisavô, somente a família dele será mostrada nos relatórios, gráficos e livros.
  17. ENTAO QUANTAS GERAÇOES FORAN ANTES DE ABRAAO
  18. QUANTAS GERAÇOES FORAN ANTES DE ABRAAO

Deixe um comentário

Enviar

Deixe um comentário
Insire um nome
Por favor introduza um endereço de email

Sem trackbacks

Sobre nós  |  Entre em contato conosco  |  Privacidade  |  Diga a um amigo  |  Suporte  |  Mapa do site
Copyright © 2014 MyHeritage Ltd., Todos os direitos reservados