6    jun 20110 Comentário

Idiomas. Quanto mais melhor!

Genealogistas muitas vezes lamentam o fato de que os ancestrais imigrantes não passaram seus idiomas nativos para seus descendentes.

Enquanto os filhos de imigrantes eram em sua maioria fluente nessas línguas - a primeira geração - os filhos, raramente transmitiam essas línguas para seus próprios filhos ou netos, assim perderam-na para sempre.

Anos atrás, quando eu me vi lutando com o cirílico para compreender os registros de Mogilev, na Bielorrússia, muitas vezes eu desejei que meus bisavós tivessem passado para nós descendentes o russo e o iídiche. O russo parece ter desaparecido no dia em que a família chegou às ruas de Nova York, enquanto o iídiche foi transmitido a seus filhos. Seus netos sabiam frases ou podiam compreender algumas delas, mas não falavam, e eles só raramente podiam lê-lo.

Seria muito mais fácil se eu tivesse aprendido fluentemente as duas línguas dos meus pais e avós! No entanto, eu aprendi Persa fluentemente quando morávamos no Irã.

Nossa filha estudou, usa para ler e escrever, compreende quase fluentemente, mas se recusa a falar.

Agora, através de pesquisas de um cientista, aprendemos que há duas razões principais que as pessoas devem passar sua língua de herança para seus filhos.

Uma razão é óbvia para estudiosos da história da família:

◦ Conecta crianças a seus antepassados.

◦ A pesquisa indica que o bilinguismo é bom para você. Faz cérebros mais fortes, como exercício cerebral.

Há uma nítida vantagem em ser bilíngue - e, presumimos, trilíngue ou mais - conforme indicado neste artigo do New York Times, veja  "The Bilingual Advantage.".

Uma neurocientista cognitiva, Dra. Ellen Bialystok, 62 anos, passou quase 40 anos de aprendizado sobre como o bilinguismo aguça a mente. Sua boa notícia: Entre outros benefícios, o uso regular de duas línguas parece retardar o aparecimento dos sintomas da doença de Alzheimer.

Bialystok é uma distinta professora e pesquisadora em psicologia da Universidade de York (Toronto, Canadá) e recebeu 100.000 dólares canadenses no ano passado, por suas contribuições à ciência social.

Aqui estão alguns destaques da entrevista, mas leia a história completa no link acima para entender como a tecnologia tem ajudado a professora em sua pesquisa.

Pergunta: "- Como é este trabalho?"

Resposta: "- Sim. Há um sistema em seu cérebro, o sistema de controle executivo. É um gerente geral. Sua função é manter o foco no que é relevante, ignorando distrações. É o que torna possível para você segurar duas coisas diferentes em sua mente ao mesmo tempo e alternar entre elas.

- Se você tem duas línguas e usá-las regularmente, o caminho que as redes cerebrais trabalham é que cada vez que você fala, ambas as línguas são reconhecidas e o sistema de controle executivo tem de resolver através de tudo e atender ao que é relevante no momento. Portanto, os bilíngues são os que mais usam esse sistema, e o uso regular é que faz este sistema mais eficiente."

Segundo sua pesquisa, usando duas línguas o tempo todo também ajuda a evitar o Alzheimer.

É suficiente um conhecimento limitado da alta escola francesa? Não, diz Bialystok. Você precisa usar "duas línguas o tempo todo. Você não vai obter o benefício bilíngue com o uso ocasional."

Bilinguismo também contribui nas multi-tarefa. A equipe de Bialystok perguntou, "Os bilíngues são melhores em multi-tarefas?"

Eles colocaram monolíngues e bilíngues em um simulador de direção e deu-lhes, através de fones de ouvido, tarefas extras para fazerem enquanto dirigiam, todos conseguiram dirigir pior. Mas o bilíngues fizeram melhor que os outros porque eles podiam se concentrar no problema. No entanto, não é recomendado que os bilíngues leiam enquanto dirigem.

Para aqueles com um quadro técnico na mente, ler a seção sobre novas tecnologias de neuro-imagem que ajudaram nesta pesquisa. Nos velhos tempos, os cientistas só podiam ver as partes do cérebro usada em tarefas específicas. Novas tecnologias significam que eles podem ver como as diferentes partes trabalham em conjunto nas tarefas.

Bilíngues parecem resolver os problemas mais rapidamente do que as monolíngues. Parece que os bilíngues estão usando um tipo diferente de rede para solucionar esses problemas. Diz Bialystok, "Seu cérebro inteiro parece tecer mais redes neurais por causa de bilinguismo.".

Nos EUA, por volta de 1960, os pais foram avisados ​​para não falar seus idiomas nativos para os seus filhos porque poderia confundi-los. Isso mudou e bilinguismo não é mais considerada um ponto negativo.

E sobre os imigrantes de hoje?

Bialystok diz que as pessoas perguntam a ela sobre o ensino de línguas para seus filhos. Ela responde: "Você está sentado em um presente potencial.".

Leia a história completa no link acima.

[NOTA: Para um outro artigo preciso encontrar interessados ​​em saber mais sobre o bilinguismo, aqui está um link (http://www.futurity.org/science-technology/is-being-bilingual-a-no-brainer) para um artigo de um pesquisador da Universidade de Kansas, intitulado "Is being bilingual a no - brainer?"]

Você é bilíngue? Que idiomas você fala? Quem  te ajudou? Ou não? Estamos realmente interessados ​​em ouvir os leitores, por favor, poste seus comentários abaixo.

Texto escrito por Schelly Talalay Dardashti

Schelly Talalay Dardashti, faz parte da Equipe de MyHeritage, escreve os blogs Tracing the Tribe: The Jewish Genealogy Blog e MyHeritage GenealogyBlog. Conceituada e premiada Genealogista, ocupa em MyHeritage.com o cargo de Assessora de Genealogia (USA) e Blogger. Membro de Genealogical Speakers Guilde, Geneablogs.com e autora de Internacional Jewish Graveyard Rabbit

Tradução: Marcelo Antonio Pereira

Comentários (0) Trackbacks (0)

Sem comentários


Deixe um comentário

Enviar

Deixe um comentário
Insire um nome
Por favor introduza um endereço de email

Sem trackbacks

Sobre nós  |  Privacidade  |  Diga a um amigo  |  Suporte  |  Mapa do site
Copyright © 2014 MyHeritage Ltd., Todos os direitos reservados