Havia apenas eu. Agora existe nós!

Havia apenas eu. Agora existe nós!

Esther D, 52, da Alemanha estava procurando por seu pai biológico desde que ela era uma jovem adolescente. Quando ela fez um teste de DNA com o MyHeritage, ela não apenas descobriu quem era seu pai – ela também descobriu e se conectou com 6 meio-irmãos. Aqui está a história dela:

Imagine ter 4 anos e se perguntar por que seus pais te entregaram para adoção.

Cresci sempre me sentindo diferente e me perguntando de onde vinha minha pele escura. No jardim de infância, as outras crianças me perguntavam por que eu era morena quando meus pais não. Não era apenas minha aparência: minha personalidade era diferente da dos meus pais também. Eu tinha uma atitude diferente em relação à vida, um temperamento diferente, uma vibração diferente.

Quem foi minha mãe? Quem foi meu pai? Por que eles não me queriam? O que eu fiz de errado para que eles não quisessem me manter? Foram tantas perguntas – perguntas que me fizeram duvidar de mim mesma ao longo da minha vida.

Em 1982, quando eu tinha 13 anos, minha mãe adotiva me deu meus documentos de adoção e certidão de nascimento. Ela me disse que eu poderia fazer o que quisesse com eles. A partir daquele momento, estava determinada a encontrar minha família biológica.

Não foi tão difícil encontrar minha mãe, pois havia um erro na certidão de nascimento: não era para mencionar seu nome e endereço, mas mencionou. Falei com ela quando tinha 17 anos e percebi rapidamente que ela não era negra. Ela se recusou a me contar sobre quem era meu pai. “Você não merece saber”, disse ela.

O homem na foto

Alguns anos depois, quando eu tinha 24 anos, visitei minha avó biológica. Encontrei o diário da minha mãe e, ali, entre as páginas, estava uma foto em preto e branco de um homem negro. Havia escrito no verso: “Billy Kaot – Düsseldorf – 68.”

Eu soube imediatamente que estava olhando para meu pai. Peguei a foto e as páginas do diário com os endereços das amigas de minha mãe e fui embora.

Minha busca, no entanto, estava longe de terminar: levaria mais 38 anos para resolver o mistério da identidade de meu pai.

Uma das amigas de minha mãe me disse que minha mãe tinha sido loucamente apaixonada por um músico negro e iria segui-lo onde quer que ele tocasse. Liguei para antigas empresas de táxi que estavam trabalhando em Düsseldorf no final dos anos 60, e também para clubes onde ele poderia ter tocado. Contratei escritórios de detetives para me ajudar. Mas não havia nenhum vestígio de qualquer Billy Kaot. Eu aprendi durante a pesquisa que naquela época a maioria dos homens negros se chamavam Billy na Alemanha e isso não facilitou nada. Fiquei sem vestígios ou pistas e decidi recorrer à mídia. Eles cobriram minha história nos jornais e nas notícias, mas ainda assim – ninguém sabia quem era Billy Kaot.

Minha busca foi conduzida em ondas. De vez em quando, o sentimento de esperança aumentava e eu tentava progredir mais, mas então perdia a esperança e abandonava a busca. Comecei a aceitar que não saberia quem era meu pai e que a origem do meu lado musical e artístico permaneceria um mistério. Comecei a aceitar que nunca conheceria minhas raízes. Aceitei que a sensação de estar sozinha ficaria comigo para sempre. Aceitei que só existia eu.

Um novo capítulo da minha busca

No final de 2019, eu estava assistindo TV e vi algo sobre DNA em um comercial. Ele chamou minha atenção e, felizmente, consegui retroceder para vê-lo novamente. Era um comercial do MyHeritage. Eu pensei, talvez seja isso.

Eu imediatamente procurei a empresa e comecei a compará-la com outros provedores de teste de DNA, mas no final das contas, me senti mais confortável em avançar com o MyHeritage. Comecei a construir uma árvore genealógica, me inscrevi para ter acesso a todos os recursos da plataforma e comprei um kit de DNA. Um novo capítulo de minha busca havia começado.

Recebi meu resultado em junho de 2020 e estava determinada a usar tudo ao meu alcance para encontrar minha família. Tive apenas uma correspondência de 2,3% com uma pessoa negra: uma jovem belga de trinta e poucos anos. Era isso? Ao estudar os diferentes recursos, aprendi que a função AutoClusters podia me ajudar. AutoClusters – ou Agrupamentos Automáticos – é uma ferramenta de genealogia genética que agrupa correspondências de DNA que provavelmente descendem de ancestrais comuns em um gráfico visual.

A única pessoa que não foi incluída em meu gráfico foi a jovem da Bélgica.

Como ela era minha única pista, decidi entrar em contato com ela através do sistema de mensagens do MyHeritage. Mais tarde, mudamos para o Facebook e enviei a ela a foto do meu pai. Perguntei se ela poderia perguntar a sua mãe ou avó se sabiam quem era esse homem.

A mãe sabia.

A descoberta

O nome verdadeiro de Billy Kaot era Raphaël Alingabo. Ele nasceu em Kinshasa, a República Democrática do Congo. Ele foi um músico que passou vários anos na Europa durante os anos 60 e 70. Infelizmente ele faleceu em 2017, mas algo inesperado me foi revelado: eu aparentemente tinha 6 meio-irmãos por aí.

Meu coração deu um salto e, a partir daquele momento, minha vida não foi mais a mesma. Desenvolvi relacionamento com alguns deles no Facebook e por telefone. Finalmente conheci minha meia-irmã Linda, da Suécia, aqui na Alemanha, alguns meses atrás, pois o COVID-19 não permitiu que nos encontrássemos antes. Pedi a ela que fizesse um teste de DNA para confirmar nosso relacionamento. Na próxima vez que nos encontramos, no início de junho de 2021, o resultado estava pronto. Eu estava com muito medo de estar errada – mas ela correspondia com 26,6%. Eu estava olhando para minha meia-irmã.

Somos 7 meio-irmãos de mães diferentes. Sempre acreditei que meu lado artístico veio do meu pai, mas agora estou convencida de que todos nós herdamos o gene artístico dele. Todos nós cantamos, criamos música, dançamos ou pintamos. Somos tão diferentes, mas ao mesmo tempo tão parecidos. Finalmente sinto que sou parte de algo além de mim mesma.

A reunião

Recentemente, finalmente tive a oportunidade de conhecer uma de minhas irmãs. Foi uma experiência incrível e que mudou minha vida. Analisamos nossos resultados de DNA juntas e nos relacionamos com nossos interesses comuns. Minha vida nunca mais será a mesma.

O MyHeritage não apenas me ajudou em minha jornada, mas também realizou meu maior desejo.

Antes havia apenas eu; agora existe nós.

Obrigado, MyHeritage.