Assinado, seu pai em uma prisão nazista: uma coleção extraordinária de cartas

Comentários

A BBC publicou recentemente um artigo sobre uma história notável que ta equipe do MyHeritage Research descobriu em 2015. Na época, a equipe estava trabalhando arduamente em busca de judeus da ilha de Corfu, como parte de um projeto para reconectar os descendentes de uma família judia de sobreviventes do Holocausto com os residentes da ilha que lhes deram refúgio.

Às vezes, você procura um tesouro e desenterra outro. Foi o que aconteceu quando Roi Mandel, chefe da equipe de Pesquisa MyHeritage, conheceu Dario e Vittorio Israel – e eles retiraram uma coleção surpreendente de cartas que seu pai contrabandeara para eles de uma prisão nazista durante o Holocausto.

Dario e Vittorio moravam em Trieste, Itália, com seus pais quando os alemães ocuparam o país em 1943. 

Daniele e família (foto aprimorada por MyHeritage)

O pai deles, Daniele, estava preocupado com a segurança da esposa e dos filhos e os mandou para fora da cidade, esperando que as coisas acabassem se acalmando. Quando Daniele foi preso em sua loja de estofados em 30 de dezembro de 1943, Dario, Vittorio e sua mãe Anna voltaram para a cidade e se esconderam em um depósito de lenha que pertencia ao cunhado de Anna, que era um carpinteiro católico. O galpão de madeira era apertado e não tinha luz ou água – apenas uma pequena clarabóia no telhado. A família passou os próximos 8 meses de suas vidas neste pequeno espaço.

Durante este período, Daniele e Anna mantiveram uma correspondência secreta costurando cartas nas golas e nos punhos das camisas de Daniele à medida que iam e vinham da lavanderia. Anna salvou cuidadosamente cada carta que ele enviou – todas as 250.

As cartas trazem à luz um relato detalhado e comovente dos 8 meses que Daniele passou na prisão Coroneo em Trieste.

Anna, Vittorio e Dario (foto aprimorada por MyHeritage)

Contrabandeando as cartas

Daniele era estofador e, portanto, muito hábil com agulha e linha. Sempre que tinha uma camisa suja para lavar, rasgava as costuras, escondia cuidadosamente as cartas e as costurava de novo. Dois dos ex-funcionários não judeus de Daniele pegavam sua roupa lavada e a entregavam a Anna correndo um grande risco pessoal. Anna procurava as cartas, descosturava as golas e os punhos, tirava as cartas e lia em voz alta para os filhos. Em seguida, ela lavava as camisas, escrevia suas próprias respostas e costurava-as antes de enviar as camisas limpas de volta com os ex-funcionários de seu marido. Às vezes, ela também enviava tinta, papel ou comida que Daniele havia solicitado.

Dario e Vittorio, na época com 8 e 9 anos, aguardavam ansiosamente cada carta.

Manter uma correspondência debaixo do nariz dos nazistas não era fácil. As autoridades alemãs sabiam que Daniele tinha mulher e dois filhos e o pressionavam regularmente para revelar o paradeiro deles. Eles o pressionavam toda semana, e às vezes até o torturavam na tentativa de fazê-lo contar onde sua família estava escondida, mas Daniele insistiu que ele não tinha contato com eles. Se eles tivessem sabido de sua correspondência com Anna, todos eles – e as pessoas que os ajudavam – estariam em grave perigo.

Para garantir que não fossem descobertos, Daniele queimou as cartas de Anna imediatamente após lê-las. Ele até avisou Anna para usar apenas papel que queimasse silenciosamente, por medo de que os guardas pudessem ouvir o estalo e investigar.

‘Terei sorte se voltar para todos vocês’

Daniele escreveu para sua esposa e filhos sobre suas experiências na prisão, sobre as pessoas sendo “mandadas embora para trabalhar” e sobre seu amor por sua família e suas lembranças deles. Ele era especialmente assombrado pela memória de uma época em que seus filhos voltaram para casa chorando porque algumas outras crianças os chamavam de “porcos judeus” e os espancavam. Na época, Daniele ficou com raiva e puniu seus filhos por não se defenderem. Anos depois, sentado em uma cela de prisão pelo “crime” de nascer judeu, Daniele lamentou profundamente a maneira como lidou com a situação e escreveu aos filhos mais de uma vez pedindo perdão pelo incidente.

Abaixo está a tradução de uma carta enviada por Daniele em 20 de agosto de 1944:

Querida Anna,

Me perdoe por tudo. Escrevi para você ontem, mas, sabe, estou tão triste. E pensar que aqueles que saíram foram trabalhar, enquanto poucos de nós estamos aqui. Depois de cada partida, sempre nos sentimos um pouco melancólicos. Mais pessoas saíram desta vez do que em qualquer partida anterior e, você sabe, pensar que eles saíram para trabalhar enquanto estamos na prisão, você não pode estar satisfeito. Se ao menos fosse possível que a guerra acabasse em breve, mas quem pode saber?

Agora, querida Anna, peço-lhe que seja forte. Você já é mais forte do que eu. O aniversário dos nossos queridos meninos está chegando. Escondi 200 liras para esta ocasião. Agora estou enviando o dinheiro adiantado porque sempre fui o provedor e não sei se ainda estarei aqui na prisão no aniversário deles. Este é o meu presente para eles. Se eu pudesse dar a eles minha vida, eu o faria. Dois ou três meses atrás, eu tinha esperanças para este dia. Eu esperava que tudo acabasse e estar com todos vocês para comemorar os meninos e minha volta. Mas não é assim. Eu não faço mais previsões, ou castelos de areia. Não é bom para mim. Eu não sou afortunado. Terei sorte (e esta será minha verdadeira sorte) se voltar para todos vocês. Como é triste viver em tais condições.

Querida Anne, diga aos meus queridos meninos que lhes envio os meus melhores votos. Esses são os desejos de um pai que os ama muito. Tenho certeza que eles vão se lembrar de mim. Esse pensamento vai me confortar um pouco. Seu pensamento em mim completará o resto da minha vida. Quantas coisas tristes tenho que escrever em ocasiões que deveriam ser tão alegres. Afortunados são aqueles que se resignam ao destino. Se Deus me acha digno, dou minha bênção aos meninos e a você, na esperança de Sua bênção. Desejo aos meninos uma vida feliz e saudável e, a você Anna, a esperança de que Deus cumpra suas orações. Atenciosamente a todos, agradeço aqueles que ajudaram vocês e me ajudaram também. Beije os queridos meninos por mim. Um grande e caloroso beijo para você. 

Sempre seu,

Daniele

Com o passar do tempo, ficou mais claro para Daniele que aquelas pessoas “enviadas para trabalhar” estavam sendo enviadas para um lugar muito mais sinistro, e que sua vez chegaria logo. 4 meses depois de escrever a carta acima, em 2 de setembro de 1944, ele foi colocado em um trem para Auschwitz – mas mesmo isso não o impediu de escrever para sua família.

Quando já estava à vista do campo de extermínio, ele escreveu uma última carta que conseguiu enviar a Anna por meio de um funcionário do trem que ele conhecia. “À distância, você pode ver a fumaça”, escreveu ele. “Há muita fumaça aqui. Isso é o inferno.”

Essa foi a última vez que sua família ouviu falar dele.

As mortes dos avós de Dario e Vittorio foram documentadas em Auschwitz, mas a de seu pai não. Eles ouviram que ele foi visto vivo duas semanas antes de o campo ser libertado, e Anna procurou por ele durante anos, sem sucesso. Dario e Vittorio acreditam que seu pai provavelmente foi transferido para um acampamento mais a oeste, longe do avanço dos Aliados, em uma marcha da morte – e provavelmente morreu no caminho.

Redescobrindo as cartas

Anna, Dario e Vittorio voltaram para sua casa em Trieste depois da guerra, mas imigraram para Israel em 1949 – em cumprimento a um desejo expresso por Daniele em uma de suas cartas. Anna guardava as cartas em uma gaveta de seu apartamento em Tel Aviv, mas a família muito raramente falava sobre os acontecimentos da guerra. Depois que Anna morreu na idade avançada de 96 anos, seus filhos estavam limpando seu apartamento e descobriram as cartas.

Então, anos depois, eles foram contatados pela equipe de Pesquisa do MyHeritage. Muitos dos judeus de Corfu, uma ilha na Grécia, se mudaram para Trieste – incluindo alguns membros da família de Anna – e os pesquisadores em MyHeritage entraram em contato com Dario e Vittorio nesse contexto. Quando Vittorio casualmente retirou a coleção de cartas que sua mãe havia preservado, o pesquisador do MyHeritage Roi Mandel não conseguia acreditar no que via. Com a permissão da família, Roi fotografou as cartas e designou um membro de sua equipe – Elisabeth Zetland – para transcrevê-las e traduzi-las.

Elisabeth passou meses transcrevendo e traduzindo as cartas. Quando o projeto foi concluído, MyHeritage apresentou cópias e traduções para a família, enquanto os originais foram doados para o arquivo Yad Vashem em Jerusalém.

Como Daniele escrevia em média uma carta por dia, Elisabeth se viu revivendo a experiência com ele enquanto lia, transcrevia e traduzia. Ela descreve o processo emocional pelo qual Daniele passa, uma reminiscência do processo que muitos outros judeus estavam experimentando na época: da confusão, pensando que deve ter havido um erro, ao tédio, frustração, sofrimento e oscilação entre a esperança e o desespero. Elisabeth acredita que escrever para sua esposa e filhos o ajudou a lidar com as circunstâncias insuportáveis.

Parece claro pelas cartas que ele foi ficando cada vez mais ciente de que nunca mais os veria, e ele aproveitou a oportunidade para dar importantes lições de vida a seus filhos sobre como ser bons homens.

“Sejam irmãos bons e verdadeiros, amem-se sempre. Assim você vai fazer eu e sua querida mãe, que é uma pessoa tão boa, felizes. ”

Seus filhos internalizaram e viveram essa mensagem. Dario e Vittorio passaram a estabelecer suas próprias famílias – cada um deles batizando um filho de Daniel em homenagem ao pai – e agora têm 13 netos entre eles.

“Nós dois estamos sempre em contato, todos os dias”, diz Vittorio.

Um legado poderoso

As cartas de Daniele Israel deixaram um legado poderoso para seus filhos, netos e bisnetos: um vislumbre de sua experiência durante este período terrível e um extenso tributo à sua devoção à esposa e aos filhos. Nós, do MyHeritage, estamos honrados por ter participado da preservação desses documentos inestimáveis e tornar sua mensagem de amor e esperança acessível para as gerações futuras.

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado