Correspondência de DNA leva pesquisadora do MyHeritage a familiares perdidos

Comentários

Elisabeth Zetland, pesquisadora do MyHeritage, trabalha na história da família do sogro desde que se deparou com um enorme baú cheio de fotos e documentos antigos na casa dos sogros. Ela se interessou especialmente pelo avô paterno de seu marido, Reuben Zetland, e pela família que ele deixou para trás na Rússia. A princípio, a família de seu marido sabia muito pouco sobre a família de Reuben na Rússia – nem mesmo a grafia exata de seu nome de família original, Tzitlionok (Цитлёнок). Mas, com algumas pesquisas, Elisabeth começou a juntar sua história.

Rubin Tzitlionok (1895–1979) emigrou de Chernigov (então Rússia Imperial, agora Ucrânia) para os EUA aos 18 anos de idade em 1913. Elisabeth sabia que ele partiu sem um adeus adequado para seus pais, porque a polícia czarista estava atrás dele para fazer parte de um grupo sionista. Seu pai queria que ele se entregasse à polícia, a quem acreditava que poderia subornar para libertar seu filho, mas Rubin (que mudou seu nome para Reuben mais tarde na vida) ficou relutante e decidiu fugir.

Rubin Tzitlionok com seu grupo sionista em Chernigov

Ao chegar nos EUA, ele se juntou à irmã mais velha, Bella, em Milwaukee, Wisconsin. Um ano depois, dois de seus irmãos, Schevel e Moshe, o seguiram. Rúben partiu em 1917 para se juntar à Legião Judaica Britânica na Palestina, e seu irmão Moshe foi com ele. Ao retornar aos EUA após a Primeira Guerra Mundial, ele entrou em Ellis Island como Rubin Zetland.

O registro de Ellis Island, onde Rubin Zetland aparece

Elisabeth conseguiu estabelecer que havia cinco irmãos que ficaram na Rússia: Dinya, Bluma, Zira, Volodya e Zivia. Ela decidiu rastrear os descendentes de cada um desses irmãos.

Em 2017, Elisabeth encontrou a família de Zivia. Tudo o que ela precisava era seu primeiro nome e uma foto, mas isso bastava para se conectar com sua bisneta Anastasia, que construíra uma árvore em Geni. Elisabeth aprendeu com Anastasia que outra irmã, Zira, tinha dois filhos que morreram sem filhos.

Elisabeth encontrou a família de outra irmã, Bluma, em uma árvore genealógica do MyHeritage. Essas duas primeiras descobertas geraram muitas trocas e entusiasmo de ambos os lados e, em abril de 2018, Elisabeth convenceu o marido a viajar para Moscou para conhecer seus primos. Aleksandr, neto de Bluma, os recebeu no centro de Moscou. Eles descobriram que Anastasia, bisneta da Zívia, morava a apenas 2 ruas de distância! Graças à pesquisa de Elisabeth, essas famílias que perderam contato décadas atrás foram reunidas.

Elisabeth e seu marido Jeremy em Moscou

3 irmãos encontrados, 2 faltando. Elisabeth concentrou seus próximos esforços em encontrar Volodya e descobriu que ele tinha dois filhos e pelo menos uma neta, e poderia ter sido o único irmão a ficar em Chernigov. Ela encontrou uma lápide na JewishGen e estava bastante confiante que era dele, e tinha certeza de que o “Vulf Tzitlenok” anotado em uma lista de Yad Vashem de pessoas evacuadas era ele.

Ela criou uma colagem de 4 fotos que acreditava serem de Volodya. A única foto que ela tinha certeza de retratá-lo era a foto no canto inferior esquerdo.

Colagem de imagens de Volodya

Nesse momento, ela encontrou uma barreira e não sabia ao certo como proceder.

Então, uma manhã, ela recebeu uma mensagem de uma nova correspondênciar de DNA do sogro. Masha, de São Petersburgo (atualmente morando em Hamburgo, Alemanha), correspondia a 1,6% e, quando verificou a árvore genealógica de Elisabeth, viu seu bisavô Volodya! Ela imediatamente contatou seus primos, que emigraram para Nova York nos anos 90, para lhes contar sobre a descoberta. Quando chegaram aos EUA, foram para Ellis Island para rastrear Reuben, mas não tiveram sucesso. Elisabeth logo descobriu que Reuben era uma espécie de figura mítica para a família de Volodya e havia conversado várias vezes ao longo das décadas. A neta de Volodya, Lyudmila, que vive agora no Brooklyn, disse a Elisabeth que Volodya costumava contar a história de seu jovem irmão Reuben, que teve que fugir subitamente para os EUA porque estava envolvido em uma conspiração para assassinar o governador de Chernigov!

Elisabeth não foi capaz de verificar se Reuben estava realmente envolvido nessa trama. O que está claro é que Volodya tinha muito amor e respeito por seu irmão – tão grande que seus descendentes herdaram esse amor através das histórias sobre Reuben, mesmo que nunca o tivessem conhecido.

O trabalho de Elisabeth em encontrar a família de Reuben ainda não terminou: ainda há Dinya para rastrear. Quem sabe que nova correspondência de DNA, árvore genealógica ou coleção de registros a levará à peça final do quebra-cabeça?

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado