Guru de registros históricos, Mike Mansfield compartilha sua história

Comentários

Você já se perguntou como MyHeritage SuperSearch™ encontra o registro exato que você precisa dentre os mais de 9,7 bilhões de registros históricos em nossos arquivos? Ou talvez você tenha ponderado a magia por trás de um registro ou Smart Match™. Não precisa procurar além da equipe de conteúdo do MyHeritage. A equipe publica novas coleções de registros históricos e gerencia as coleções existentes para aprimorar a experiência de seus usuários. Tivemos a oportunidade de sentar com Mike Mansfield, diretor de conteúdo do MyHeritage, e perguntar sobre as coleções de registros do MyHeritage e como sua paixão pela genealogia impacta sua vida cotidiana.

P: Conte-nos mais sobre a equipe de conteúdo. Como o conteúdo é publicado?

R: A equipe de conteúdo é composta por três diferentes ramos de atividades. Primeiro tem o Russ, o diretor geral de conteúdo. Russ vai atrás de arquivos, instituições e organizações parceiras em todo o mundo para discutir aquisições e projetos colaborativos.

Eu sou o diretor de operações de conteúdo. Uma vez que Russ tem um contrato em vigor, eu trabalho com ele e com a equipe de Utah para criar um plano de operação e decidir todos os níveis de processamento de conteúdo. Algumas vezes eu vejo o processamento de conteúdo como uma refinaria de petróleo. Deixamos o conteúdo seguir por tubos diferentes e em cada etapa são aplicados tratamentos diferentes. Nos meus últimos 20 anos no campo, nunca vi qualquer conteúdo passar por um mesmo processo, se enquadrando no mesmo molde. Às vezes, vamos conseguir conteúdos que estejam quase prontos para publicação. Outros tipos de conteúdo podem levar anos, talvez até uma década, para ser publicado.

Tal é o gerente de produto e está fortemente engajado no planejamento de roteiros de todos os projetos de infraestrutura, bem como nos projetos de pesquisa e sistema de conteúdo.

Da esquerda para a direita, Tal Erlichman, Mike Mansfield e Russ Wilding

O que é maravilhoso sobre a equipe de Conteúdo do MyHeritage é a maneira em que nós utilizamos dados de árvores genealógicas para ajudar com o nosso processamento de conteúdo. Podemos criar algoritmos que buscam os dados de nossas árvores genealógicas para ajudar com todos os tipos de objetivos a serrem alcançados com esses dados. Por exemplo, em muitas das nossas coleções de dados, o sexo da pessoa não é indicado, mas é uma informação extremamente útil para incluir no SuperSearch™. Os dados de gênero também ajudam bastante a determinar a noção de dados domésticos e a fazer delineamentos em famílias. O MyHeritage decidiu criar um algoritmo que chamamos de dedutor de gênero. Com base nos dados de 45 milhões de árvores genealógica, podemos deduzir um gênero a partir de um índice baseado em seu nome, país e cultura. O dedutor de gênero, no entanto, não recomenda um gênero para os primeiros nomes que têm um gênero ambíguo.

P: o que o levou a trabalhar no MyHeritage?

R: Ainda na época do Ensino Médio, eu já tinha dois interesses conflitantes: ciência da computação e tecnologia, bem como história e genealogia. Esse conflito continuou na Brigham Young University, onde tive muitas aulas sobre genealogia e até cheguei a considerar me tornar um genealogista profissional. No final, decidi seguir o caminho da tecnologia e me graduei em Ciência da Computação.

Campus da Universidade Brigham Young, 2007

Logo depois de terminar a faculdade, meu primeiro emprego foi desenvolvendo softwares para uma publicação em CD-ROM. Isso foi em 1994 e a internet ainda era mal conhecida pela maioria do mundo. A maioria das empresas usava CDs para publicar seus dados. Muitos de nossos clientes eram grandes escritórios de advocacia e grandes entidades corporativas que precisavam publicar grandes quantidades de dados.

Então pude assumir uma função no departamento de pesquisa e conteúdo em outro site de genealogia, onde eu pude aplicar meus conhecimentos de sistemas de pesquisa de dados, como registros históricos e pesquisa. No final dos anos 90 com assinaturas online se tornando mais prevalentes, começamos a pensar em publicar essas coleções online.

Me lembro de participar de uma reunião onde estávamos bolando essa ideia de tentar implementar as imagens do Censo Federal dos EUA online e subsequentemente criar indíces para que as pessoas pudessem pesquisar e encontrar essas imagens. Houveram alguns trabalhos de indexação antes disso, mas ninguém tinha colocado as duas coisas juntas, muito menos na escala considerada para esse projeto. Olhando pra trás agora vejo como foi um desenvolvimento importante da indústria. Ele realmente definiu as bases para o que se tornou um padrão na nossa indústria de ter acesso online com índices ligando os usuários diretamente às imagens digitais.

P: Quão longe no passado você já encontrou parentes, e quão longa é a sua árvore genealógica?

R: Eu fiz a maioria da minha genealogia baseada na minha linha de sobrenome — a linha dos Mansfield — proveniente de Surrey, Inglaterra, e eu posso rastrear meus ancestrais até o século de 1600.

Meu parente mais diferente, no entanto, é o pai da minha mãe, Thomas Joseph Griffiths, que nasceu no país de Gales.

Thomas Joseph Griffiths, avô materno de Mike

Seu pai era um mineiro de carvão, e ele mesmo trabalhava como mineiro. Mas com 20 anos, ele decidiu deixar sua família e emigrar para os Estados Unidos.

Não sei dizer como as condições no País de Gales eram em comparação ao que ele esperava encontrar nos Estados Unidos, mas admiro como ele viajou sozinho ainda jovem, deixando sua família e tudo o que sabia para ir atrás do desconhecido. Eu fui capaz de localizar mais detalhes, por exemplo, o navio chamava “O Aquitania”, e ele chegou em Ellis Island em 26 de janeiro de 1928.

O RMS Aquitania

O registro de chegada mostra que ele estava indo para Provo, Utah, onde seu irmão já morava naquela época.

 

Registro de chegada de Thomas Griffith, da ilha de Ellis e outras listas de passageiros de Nova York, 1820-1957

Estes imigrantes realmente tinham muita coragem de sair de casa. Mesmo que ele fosse capaz de se comunicar através de cartas, eu não acho que ele voltou a ver seus pais.

P: O que mais te chama a atenção trabalhando no MyHeritage?

A: Isto é algo sobre o qual eu falo frequentemente – a grande audiência internacional. Ao contrário de outras plataformas de genealogia e serviços que são predominantemente focados na América do Norte, no MyHeritage a grande maioria dos usuários são de fora da América do Norte.

Além disso, o número de idiomas que nossos sites e serviços suportam é incrível. Ao contrário de outras plataformas de genealogia, nosso site está disponível em 42 idiomas diferentes. A maioria das outras plataformas têm menos de 10. Sabendo que temos um alcance internacional tão amplo tem sido incrivelmente gratificante.

Também tem sido divertido para mim, pessoalmente. Eu tenho um monte de herança escandinava da Noruega, Suécia e Dinamarca. Ser capaz de descobrir Smart Matches™ e agora Correspondências de DNA com primos distantes que vivem lá é maravilhoso. Você não teria essa mesma experiência em qualquer outra plataforma.

O teste de DNA do MyHeritage, apesar de estar disponível há apenas alguns anos, tem experimentado um crescimento tremendo e agora oferece uma sofisticada tecnologia de combinação de DNA e Navegador de Cromossomo. Mostrando como você se conecta com seu parente distante que vive na Noruega pode ser tanto divertido como útil para expandir sua árvore genealógica e te fornecer mais informações genealógicas. Quando eu recebo uma conexão através de uma Correspondência de DNA, existe um nível diferente de emoção e uma sensação de conexão com a outra pessoa. O DNA leva a relação de um patamar teórico para um patamar absoluto.

P: Existe uma coleção de conteúdo específica da qual você sente mais orgulho?

R: Tenho mais orgulho dos Livros de Exame de Lares da Suécia. É um projeto que, na verdade, foi tentado por outras empresas genealógicas, mas sem sucesso.

Quando recebemos coleções de imagens, elas precisam ser indexadas ou transcritas. Para este projeto em particular, trabalhamos com genealogistas suecos que foram especialmente treinados em paleografia sueca para oferecer treinamento significativo a uma equipe de mais de 700 pessoas que nos ajudaram a indexar esses registros.

Gostaríamos de agradecer a Mike por seu tempo em explicar todo o grande trabalho da equipe de conteúdo, bem como compartilhar um gostinho de sua paixão pela genealogia e história da família. Pesquisar as coleções de conteúdo do MyHeritage de registros históricos com o SuperSearch™ é a melhor maneira de obter mais informações sobre seus antepassados e história da família.

Tente a sua sorte pesquisando as coleções e conte pra gente nos comentários abaixo o que você descobrir!

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado