Ganhe uma chance de resolver o mistério da sua família!

Comentários10

Você tem um mistério em sua família que você está ansioso para resolver? Talvez você tenha encontrado uma medalha de guerra escondida em uma caixa velha e você não sabe de quem era, ou talvez você tenha encontrado um misterioso medalhão com iniciais que você não reconhece. Podem existir vários mistérios diferentes na sua família e queremos saber mais sobre eles!

Queremos te ajudar a encontrar as respostas. Nossa equipe dedicada de pesquisadores ajudará a alguns poucos vencedores a pesquisar e resolver seus mistérios familiares.

Compartilhe seu mistério com a gente!

Mistérios de Família indescritíveis

Aqui estão alguns dos mistérios que você pode ter na sua família:

    • Você tem um membro da família com quem seus parentes perderam contato durante uma guerra e você quer rastrear seus descendentes?

    • Você gostaria de aprender a verdade sobre uma lenda da sua família passada de geração a geração?

    • Há medalhas de guerra que foram da sua família e que você gostaria de encontrar?

    • Você tem cartas manuscritas antigas enviadas para ou por alguém que você não conhece?

    • Sua família perdeu obras de arte durante uma guerra?

    • Você encontrou um diário antigo escrito por alguém que você nunca ouviu falar antes?

Estamos convocando todas as famílias para compartilhar o mistério de sua família, seja semelhante a um dos listados acima ou algo completamente diferente.

Sucessos de pesquisas anteriores

No passado, o MyHeritage ajudou as famílias a resolver mistérios históricos. Veja alguns exemplos:

Trabalho de Detetive Genealógico Resolve o Mistério de Obra de Arte Roubada
No ano passado, a Dutch Museum Association auditou sua coleção de obras de arte para determinar quais obras foram presumivelmente roubadas de seus proprietários judeus originais pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Eles publicaram uma lista de 170 peças de arte que foram descobertas na auditoria. O MyHeritage partiu em uma iniciativa pro bono para procurar descendentes vivos dos proprietários originais, que são os legítimos herdeiros da obra de arte roubada. Laurie Greene é uma desses herdeiros. A equipe MyHeritage ligou para a Laurie e a surpreendeu com a notícia de que ela é elegível para reivindicar 133 ilustrações que foram roubadas de seu tio-avô, Mommie Schwartz, um famoso pintor judeu-holandês.

À esquerda, um retrato do artista holandês Mommie Schwarz, de sua esposa Else Berg, e à direita, um auto-retrato de Mommie Schwartz.

A KGB, a Cortina de Ferro e um Mistério de Décadas Revelados
Depois de incontáveis tentativas de localizar familiares há muito perdidos que desapareceram na antiga União Soviética 80 anos atrás, Rani Markovich sempre imaginou que nunca seria capaz de se reunir com a família perdida de seu avô. Tudo isso mudou quando Rani contou com a ajuda do fundador e CEO do MyHeritage, Gilad Japhet. Com registros raros da KGB e o trabalho de detetives realizado fisicamente e no Facebook, o mistério de décadas da família foi finalmente resolvido, culminando em uma reunião de família triunfante nos EUA.

Assista a reunião emocionante aqui:

Uma História de Sobrevivência e Uma Caixa de Fósforos de Prata
Elda Bivas Gambash procurou os descendentes de um homem chamado Shimon Luria por mais de trinta anos. Shimon salvou a vida de seu avô durante a Primeira Guerra Mundial, dando comida a ele enquanto estava em cativeiro.

Shimon Lurie dos Batalhões Judaicos, c1917-1918. 1917–1918.

Shimon também deu ao avô uma caixa de fósforos de prata que seu ele guardou com carinho durante toda a sua vida.

Uma caixa de fósforos de prata esculpida à mão gravada com o nome e os detalhes de Shimon.

Graças ao MyHeritage, a família Gambash pôde finalmente prestar homenagem e agradecer à família pela generosidade de Shimon.

Família Reunida Graças ao MyHeritage DNA

Mitch Yurkovich foi adotado como um bebê e sempre foi curioso sobre sua família biológica. Ele procurou por ela por muitos anos. Do outro lado, seus pais sempre esperavam que Mitch voltasse para casa, não tendo nenhum registro do paradeiro de Mitch devido a sua adoção arranjada. Imagine a surpresa dele quando uma Correspondência de DNA o levou a seus pais biológicos, que ainda estavam juntos, e que se casaram e tiveram mais dois filhos! Graças ao MyHeritage, Mitch conheceu sua mãe, pai e irmãos pela primeira vez.

Mitch se reúne com a família biológica no Novo México.

MyHeritage devolve uma Medalha da Primeira Guerra Mundial para a Família de um Soldado

MyHeritage ajudou a devolver uma Medalha de Guerra Britânica da Primeira Guerra Mundial à família de um soldado. Há 40 anos, a medalha foi encontrada na Austrália por Rob McCaw enquanto usava um detector de metais em um campo. Desde então, Rob tentou encontrar o proprietário de direito da medalha. Com a ajuda do MyHeritage, Rob encontrou os descendentes do soldado e finalmente conseguiu devolver a medalha a eles.

Assista abaixo ao vídeo emocionante:

Queremos ouvir sobre seus mistérios familiares!

Envie pra gente o seu mistério familiar ou comente abaixo para ter uma chance de ter seu mistério resolvido por nossa talentosa equipe de pesquisa!

Mal podemos esperar para começar a derrubar todas essas barreiras!

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado

  • VIVIELEN APARECIDA DALL OSTO


    agosto 8, 2019

    OLÁ EQUIPE DE PESQUISA , tenho um avó de origem nativa tupi-guarani, de nome José Pereira Lima, e que se separou de minha avó e família por volta de 1948, e desde então, tanto minha mãe /avó assim como eu não tenho nenhuma outra informação sobre sua história, paradeiro, destino, onde e como foi sua trajetória de vida e por ser o único indigena na família de origem italiana, e como descendentes, queremos ter alguma informação se possível.
    grata
    VIVIELEN

  • CORACY HONOSTORIO DUARTE


    agosto 8, 2019

    Meu avô João Martins Honostorio meu avô paternos veio de não sei onde foi pai de meu pai fora do casamento deu o sobrenome nas não registrou como pai gostaria de saber de onde ele veio

  • Pedro Giacomo Loggetto Filho


    agosto 8, 2019

    Gostaria de obter os nomes e genealogia na Itália dos parentes de meu avô paterno, Giovanberardino Loggetto e de minha avó Margherita Lamboglia Loggetto, já falecidos no Brasil. Se possível, onde moram atualmente, quem são e algum contato como email ou telefone.
    Grato

  • Wilson Esteves Lima


    agosto 12, 2019

    Boa tarde!
    Estou ansioso e curioso para achar o local de nascimento do meu avô o Sr° VALENTIM ESTEVES .

  • Joyce Ferreira


    agosto 19, 2019

    Meu bisavô paterno (Jerônimo Ferreira) nasceu em uma fazenda no Sul de Minas Gerais em 1878, filho de uma escravizada (Victoria Maria de Jesus) e de um português (Antônio Ferreira de Araújo). No entanto, a família pouco sabe da mãe de Jerônimo, Victória. Não sabemos se era africana de nascença ou se veio escravizada ou se tornou cativa no Brasil. Gostaria muito de desvendar os caminhos pelos quais os meus ancestrais afros viveram por aqui, assim como compreender as relações de sobrenomes portugueses dos negros no Brasil e como pesquisar através destas pistas.

  • Gilmar Gallucci


    agosto 19, 2019

    Olá, equipe do MH
    tenho um mistério: o nome desse mistério: Rosa Candida do Rosario; nasceu entre 1842-1852 no Estado de São Paulo, Brasil, casou-se com Joaquim Thomaz Alves por volta de 1867, provavelmente em Cabreúva-SP; o problema é que no livro de casamentos da igreja de Cabreúva, os registros se encerram em 1859 e só reaparecem em 1870, SEM QUE NENHUMA PÁGINA TENHA SIDO ARRANCADA! então, não tenho registro nem do nascimento, nem do casamento e nem do óbito da Rosa; agradeço se puderem me ajudar.

  • Ismael


    agosto 20, 2019

    Inicialmente gostaria de parabenizar pela iniciativa. Ideia riquíssima! Bem, eu tenho um grande mistério em minha vida. Minha mãe não tem o registro em sua certidão em que consta o nome de seu pai, meu avô. Eu gostaria muito de saber que ele é e mais ainda, apresentá-lo a minha mae. Esse é um hiato em minha história. Já fiz o teste de DNA e estou até agora maravilhado com os resultados que confirmam a história de minha avó. Segundo ela ele era português. Em meu DNA deu 42% ibérico. Vocês já marcaram minha vida com esse teste. Se desvendarem esse mistério, darão resposta de anos para mim e minha mãe e minha futura geração.

  • Fernanda Rocha de Andrade


    agosto 24, 2019

    Procuro meu irmão e minha família !!!!!

    Fernanda ou Rita de Cassia ? Quem sou eu?

    Não sei quando e onde nasci, nem quem são meus pais e irmãos. Quando soube, em uma briga com meu pai, que era filha adotiva, meu mundo caiu e percebi que minha intuição estava certa. Eu não fazia parte daquelas pessoas, nem física, nem psicologicamente, seus hábitos e costumes, seus gestos ou comportamento, nada tinha haver comigo, era como se eu me sentisse sempre no lugar errado, eu sentia que vivia uma mentira. Meu sentimento neste momento era de decepção, eles mentiram e me enganaram o tempo todo, e eu tinha confiança neles, como puderam me iludir, eu pensava que era amada, mas amor e traição não andam juntos. Comecei com problemas e desordens emocionais e sociais. Não consegui à partir deste momento ter um relacionamento de amizade ou amoroso com confiança. Eu não acreditava mais em ninguém. Me isolei de certa forma. Todos , para mim, estavam me ludibriando , a falsidade virava aí um fantasma que carreguei nas costas a vida inteira. Toda vez que tentava conversar com minha mãe sobre a adoção , ela ficava nervosa, começava a chorar e passava mal. Para evitar constrangimentos e como não queria magoá-la fingia que não queria mais saber de nada. Fiquei sabendo poucas coisas mas importantes. Vim de um orfanato em Curitiba estado do Paraná, chamado na época Orfanato Tia Paula. Essa Tia Paula é Paula Pedroso do Amaral (já falecida) e tem várias instituições vinculadas à ela na atualidade. São elas : CASA MATERNAL DONA PAULA, Hospital e Maternidade Victor Ferreira do Amaral, ASSOCIAÇÃO FEMININA DE PROTEÇÃO À MATERNIDADE E A INFÂNCIA DE CURITIBA, Creche Anna Messias, Berçário Menino Jesus.
    Segundo relato da própria Tia Paula à minha mãe adotiva, eu e meu irmão mais novo fomos levados para lá por um tio biológico que disse à ela que minha mãe biológica tinha mais quatro filhos além de mim e meu irmão e que ela não tinha condições de nos criar, era uma família italiana de Santa Felicidade. Meu irmãozinho e eu dormíamos no mesmo berço no orfanato , eu com um ano e meio de idade e ele com uns 8 meses de idade mais ou menos. Isso no ano de 1966. Bem, depois disso fui adotada e levada por meus pais adotivos e meu irmão foi adotado por outra família de Santa Catarina ( foi dito que o pai adotivo dele era Engenheiro). Meu registro é totalmente falso e consta que sou filha legítima de meus pais adotivos. Nascimento dia 27 de março de 1964 (talvez data fictícia) O registro tem data de 1967 e meu nome que era Rita de Cassia antes de ser adotada, passou a ser Fernanda. Entrei em contato com o Cartório de registros lá de Curitiba e fiz o pedido da certidão biológica mas não existe nada vinculado ao meu registro, conclusão : adoção ilegal. Além de tudo ainda me tiraram o direito de saber minhas origens. Falsificaram, burlaram, tapearam a lei e a mim. Hoje eu nem sei como consegui ultrapassar tamanha falta de respeito. Egoísmo e ignorância de meus pais adotivos em achar que eu seria capaz de trocá-los se soubesse a verdade. Eu jamais faria isso pois os amava por demais. A família que me criou me acusa de ingratidão. Por eu ter tido uma vida confortável e ter podido estudar e crescer dentro de pessoas de bem . Agradeço a oportunidade. Não se trata disto, o direito de todo adotado é ser criado dentro de uma verdade e isso agora é lei. Antes de minha mãe morrer ela me pediu perdão no hospital e queria me contar tudo o que aconteceu mas não deu tempo. Eu amava muito minha mãe adotiva e não preciso perdoá-la porque a entendo. Não tenho nenhum sentimento de revolta contra meus pais e tenho muita gratidão pela vida que me deram mas quero hoje a minha verdade.
    Continuo em meu caminho para descobrir minha verdadeira origem, achar meu irmão, e completar enfim a página que falta em meu livro da vida.

  • Luciana


    setembro 4, 2019

    Gostaria de saber quem foi Horácio Augusto Vasconcellos ( 1878 / 1924) casado com Leoneria Alves Vasconcellos .

  • Bruno Ante Ofeli


    setembro 6, 2019

    Estou ansioso para saber os nomes de parentes de meu pai Giovanni Ofeli,pois o mesmo tem uma certidão, dando como nascimento o local de Bagni di lucca em 15/02/1908 e falecido aqui no Brasil em 25/07/1962. Amaria muito levantar a data que imigrou da Italia para o Brasil.