As alegrias de ser Ruivo

Comentários1

Duas das minhas melhores amigas da infância, Elizabeth e Rachel, eram ruivas. Eu tinha uma inveja boa e queria que meu cabelo fosse vermelho também – não só por causa da cor bonita, mas também porque era muito único. O ruivo é a cor de cabelo mais rara encontrada em humanos: apenas de 1 a 2% da população tem.
Elizabeth era a única ruiva da família dela. Isso foi tão marcante que depois que ela nasceu, sua mãe começou a pintar seu próprio cabelo de ruivo para que as pessoas parassem de perguntar se Elizabeth era realmente sua filha.
Rachel, por outro lado, veio de uma família inteira de ruivos – assim como os Weasleys em Harry Potter.
Como podia a Elizabeth ter cabelos ruivos enquanto ninguém mais da família dela tinha?

Quais são as origens do cabelo ruivo?

O cabelo obtém sua cor de um pigmento natural produzido pelo corpo chamado melanina. Quando o corpo produz um alto nível de um pigmento chamado feomelanina – que tem uma tonalidade rosa ou avermelhada – e baixos níveis do pigmento escuro eumelanina, o resultado é o cabelo ruivo.
Então, o que faz com que o corpo de uma pessoa ruiva produza diferentes níveis de feomelanina e eumelanina do que uma pessoa não-ruiva? Nós não sabemos exatamente, mas os cientistas descobriram que está relacionado a uma mutação genética do receptor de melanocortina 1 (MC1R). MC1R é a proteína chave involvida na determinação da cor do cabelo e da pele, e é localizada no cromossomo 16. A mutação resulta em um gene recessivo para cabelos ruivos.
O fato de ser recessivo significa que você pode ter o gene ruivo e nunca saber. Para que uma pessoa tenha cabelos ruivos, ela precisa herdar a mutação de ambos os pais em ambas as cópias do cromossomo. Mesmo quando uma pessoa herda o gene recessivo de ambos os pais, isso nem sempre significa que ela terá cabelos ruivos.
Isso explica por que Elizabeth é a única ruiva da sua família. O gene ruivo geralmente pula gerações, assim como olhos azuis. Seus pais e avós provavelmente carregavam apenas uma cópia do gene recessivo, por isso nenhum deles tinha cabelos ruivos.
Os pais de Rachel, por outro lado, tinham cabelos ruivos, o que significava que Rachel e todos os seus irmãos herdaram o gene ruivo de ambos os lados. Curiosamente, nem todos eles tinham o mesmo tom de cabelo ruivo. O cabelo de seus irmãos era um vermelho flamejante, enquanto o dela era mais claro, quase louro, e a de sua irmã era mais puxado pra um castanho-avermelhado.

Ruivos e climas mais frios

Você pode ter ouvido que há mais ruivos na Irlanda do que em qualquer outro lugar do mundo. Se você está buscando por números absolutos, nos EUA tem mais ruivos do que em qualquer outro lugar: algo entre 6 e 18 milhões! Mas a Irlanda tem a maior concentração de ruivos: 10% da população irlandesa tem cabelo ruivo, contra 2 a 6% da população americana. O cabelo ruivo também é predominante na Escócia, na Rússia e em outros países nos países do norte e do oeste europeu, bem como entre os judeus ashkenazi. Por outro lado, o cabelo ruivo é muito raro na Ásia e na África subsaariana.
Por que há menos ruivos perto do equador? A resposta é a seleção genética: a mutação genética que causa o cabelo ruivo (o “gene ruivo”) também está associada a outras características que facilitam a sobrevivência e a manutenção da saúde em climas mais frios.
Os baixos níveis de eumelanina dos ruivos também podem tornar a sua pele mais clara – e incapaz de se bronzear. A vantagem é que a pele clara é mais eficiente na produção de vitamina D, o que significa que as pessoas com cabelos ruivos não precisam tomar tanto sol. A desvantagem é que eles queimam facilmente e são mais suscetíveis aos cânceres de pele.
Quando a pele não se bronzeia para se proteger dos raios UV, ela costuma ser sardenta, e é por isso que tantos ruivos também têm sardas.

Crenças históricas sobre cabelo ruivo

Não há evidências científicas de uma conexão entre a cor do cabelo e a personalidade, mas o estereótipo de que os ruivos são esquentadinhos e têm a língua afiada surgiu há séculos. Antes da era da medicina moderna, os europeus acreditavam que os traços físicos estavam relacionados aos tipos de personalidade, e os cabelos ruivos eram associados à mentalidade otimista. Eles acreditavam que as pessoas com esse tipo de personalidade eram falantes, enérgicas, sociáveis e dispostas a tomar decisões de risco. Na tradicional prática medicinal indiana do Ayurveda, o cabelo ruivo era associado ao temperamento Pitta, que é caracterizado como fogo.
Infelizmente, também existiram alguns estereótipos negativos sobre os ruivos ao longo da história. Nos tempos medievais, as pessoas pensavam que cabelos ruivos e olhos verdes eram os sinais de que uma pessoa era uma bruxa, um lobisomem ou um vampiro. O cabelo ruivo também estava associado ao povo judeu – e, posteriormente, a estereótipos antissemitas – na arte e na literatura medievais. O Shylock de Shakespeare tinha cabelos ruivos, assim como o Fagin de Dickens. Judas Iscariotes era frequentemente retratado com cabelos ruivos na arte espanhola e italiana. Ruivos foram perseguidos como judeus ou como bruxas por causa dessas associações.
Felizmente, nos dias de hoje, o cabelo ruivo é mais admirado do que temido ou odiado. Ruivos em todos os lugares sentem uma certa solidariedade graças ao tom único e belo de seus cabelos. Há até uma convenção na Holanda chamada Redhead Day (O Dia dos Ruivos), onde ruivos de todo o mundo se reúnem para atividades e eventos especiais. O festival é apenas uma maneira de celebrar a presença do gene ruivo em sua família.

Você tem algum ruivo especial em sua vida? Conte pra gente nos comentários!

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado

  • Cláudia Magalhães Bonnemasou


    agosto 28, 2019

    Eu tive duas filhas ruivas. A primeira tinha olhos azuis da cor do céu, a segunda tem olhos castanhos claros. São lindas.