Ensinamentos da minha avó sobre o Natal

Comentários

Este texto foi escrito por Sara, a nossa gerente de marketing para os países escandinavos.

No verão passado minha avó completou 92 anos. Nos últimos anos temos visto que a idade está chegando pra ela também. Ela continua fazendo tudo, mas de uma forma mais lenta do que de costume e muitas vezes tenho que levantar a voz, ou repetir algumas vezes a mesma frase, para que ela entenda o que quero lhe dizer.

Mas parece que é só o Natal chegar, para ela voltar a ser ela mesma. Parece até que ela guarda a energia durante o ano todo e libera toda esta força na temporada de Natal. Do mesmo jeitinho que fazia durante a minha infância.

Toda a sua casa é decorada com os mesmos enfeites usados por ela, desde que se mudou para aquela casa com meu avô, há 50 anos atrás. E nesta época do ano a casa ganha um componente especial, um cheirinho irresistível das delícias que ela prepara em sua cozinha, semanas a fio, até chegar a ceia de Natal.

Minha avó me ensinou muitas coisas. E as tradições que ela me ensinou sobre o Natal são apenas uma parte pequena dos ensinamentos que guardo comigo.

E aqui estão algumas das coisas que minha avó me ensinou:

Tradições devem ser mantidas. A decoração da casa, que tipo de presentes damos e recebemos no Natal, quais comidas são servidas na Ceia, todas estas coisas sempre foram muito prezadas pela minha avó. E ela sempre fez questão, ano após ano, de ver estas tradições serem mantidas e passadas adiante, para que não se percam.

A família é a base de tudo. E ela sempre dá um jeito de se reunir para o Natal. Cada de nós vinha de uma parte diferente do país. Alguns de carro, outros de avião, outros ainda de ônibus. Mas todo mundo dava um jeito de estar na casa da minha avó no dia de Natal, para cearmos juntos. E devemos toda esta união em grande parte à minha avó, que nos recebia sempre com todo o carinho do mundo e que fazia questão da nossa presença. Sempre tivemos a sensação que a presença de cada um de nós era fundamental para a sua ceia.

Presentear traz tanta satisfação quanto receber. Meus avós sempre foram muito generosos comigo e com minhas irmãs. Além das comidas deliciosas, do carinho e de toda a atenção, nós sempre recebemos muitos presentes de Natal. Mas minha avó sempre pensou no próximo também. Ela organizava doações no bairro onde ela morava e supervisionava todo o trabalho para que as doações chegassem às pessoas que precisavam de ajuda. E em todos os anos ela ficava pessoalmente do lado de fora de um shopping da cidade, com uma canequinha na mão, pedindo doações para os mais necessitados.

Não desperdice. Tudo tem seu valor e jogar coisas de valor fora é um verdadeiro  crime. Este sempre foi o mantra da minha avó. E com coisas de valor ela quer dizer comida e roupas. No Natal, com o exagero de comida que são vistos em tantas casas, este mantra era ainda mais importante pra ela. E ela seguia à risca as suas regras. Os restos eram reaproveitados em novas receitas. Ela convidava os vizinhos para comer todas as bolachinhas e bolos que preparava e até o gato e o cachorro tinham a sua parte na hora de dar cabo dos restos 🙂

Minha querida avó

As melhores receitas são as receitas de família. Minha avó fazia um arenque maravilhoso e ninguém faz uma almôndega melhor que a dela! Muitos de seus pratos são receitas que ela aprendeu com sua mãe, que por sua vez aprendeu com a mãe dela, numa tradição fabulosa, que vem sido passado de mãe para filha, há várias gerações.

Minha avó realmente marcou a forma como nós celebramos Natal na nossa família e eu tenho muita sorte em ainda poder celebrar esta data tão especial ao seu lado. Espero que ela ainda esteja conosco por muitos Natais! Tenho certeza que este estilo marcou a maneira como eu mesma celebrarei as festas de final de ano quando eu tiver os meus filhos. E espero que eles também continuem celebrando estas tradições com as gerações futuras.

Você também tem tradições aprendidas com sua avó? Quais são elas?

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado