Socorro, não sei de onde vieram meus avós!

Comentários0

Você gostaria de encontrar informações sobre seus antepassados? Gostaria de saber onde eles vieram, mas não sabe por onde começar? Precisa dos documentos dos seus avós para dar entrada em pedido de cidadania? Ou está simplesmente curiosos para descobrir mais sobre o seu passado?

Então, calma, respire fundo e vamos lá ver qual é o passo-a-passo para você começar!

1- Organize aquilo que você já sabe. Muitas pessoas escrevem para nós pedindo ajuda e dizem que não sabem nada, nadinha, de suas famílias. Mas isto raramente é verdade… A maioria de nós sabe quem foram os pais, os irmãos, os avós e até alguns tios. E isto não é pouca coisa. Só que só saber os nomes não adianta. Você deve tentar organizar todas estas informações em forma de árvore genealógica. E isto é muito simples. Vá até o site: www.myheritage.com.br e faça o seu cadastro escrevendo seu nome completo, data de nascimento, nome do seu pai, da sua mãe e email. Pronto. O primeiro passo já está dado e a partir daí o próprio programa te guia, para que você vá completando as informações.

2- Hora de por o papo em dia. Você com certeza já deve ter conversado com seus pais e irmãos sobre o assunto. Mas você anotou todas as respostas? Onde? A nossa dica é: agora que você tem a sua árvore leve-a com você quando for conversar com a família. Pode ser no notebook, no celular, no tablet (se você não baixou nosso aplicativo ainda, aproveite, é grátis!) , ou até impressa. O importante é mostrar a árvore genealógica e conversar sobre as informações que estão faltando.

3- E quanto mais papo melhor. Agora que a sua família direta já te ajudou é hora de ampliar o leque e conversar com todos os familiares que você conhecer. Lembre-se que nesta hora os parentes mais velhos levam muita vantagem! Eles provavelmente se recordam de fatos e histórias que você desconhece. Muitas informações que eles te darão poderão ser pouco precisas, mas elas não deixam de ser pistas preciosas. Anote tudo! Tanto os nomes, os apelidos e os lugares que forem mencionados nestas conversas serão importantes para a pesquisa futura. Novamente recomendamos que você leve a sua árvore genealógica com você se for visitá-los. Aqui temos muitas dicas de que perguntas fazer para os parentes que você entrevistar. Uma dica que funciona sempre é levar fotos de família antigas com você (principalmente fotos onde várias pessoas estão retratadas). Normalmente este é um ótimo recurso para quebrar o gelo. Pergunte quem está na foto, se a pessoa entrevistada se lembra daquele dia e deixe o papo rolar.

4- Agora é hora de pesquisar. Agora que você já tem a árvore genealógica mais completa possível e vários nomes e dicas que você recebeu dos seus parentes, é hora de por as mãos à obra. Comece uma busca pelo famoso Dr. Google. Veja se você encontra alguma informação relevante (veja aqui dicas de como fazer estas pesquisas e como repeti-las!) e anote tudo que encontrar. Principalmente pessoas com sobrenomes pouco comuns costumam ter muito sucesso com este tipo de pesquisa. Provavelmente, a outra pessoa que compartilha o seu sobrenome é da sua família. Depois comece a fazer a busca por fontes. Fontes históricas são essenciais na genealogia. Principalmente se o seu objetivo for obter cidadania, você vai precisar de documentos. Ninguém vai te dar um passaporte baseado no achismo da sua tia-avó… Então consulte os arquivos online que encontrar e que forem relevantes para a sua família (claro que o primeiro acervo online que você deve consultar é o do MyHeritage! Temos bilhões de registros históricos por lá, quem sabe não temos algo sobre a sua família?). Consulte registros civis, como os registros existentes em fóruns, cartórios, etc. Consulte registros religiosos presentes em igrejas. Não se esqueça também de consultar os arquivos governamentais, como os Arquivos Públicos Estaduais, Municiapis ou Federais. Museus (como o excelente Museu da Imigração em São Paulo) também têm acervos muito interessantes para consulta. Finalmente, uma outra ideia é visitar o cemitério. Certidões de óbito (que podem ser consultadas no escritório do cemitério) são uma excelente fonte de informação.

5- Deixe a tecnologia trabalhar pra você! Confira a vídeo-aula, em que ensinamos como a tecnologia pode ser usada a seu favor, para que você ganhe tempo.

Boas descobertas!

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado