Testes de DNA: 7 dicas para pessoas adotadas

Comentários3

Hoje temos um convidado especial aqui no blog – Richard Hill, autor de dois livros sobre testes de DNA. O primeiro livro “Finding Family: My Search for Roots and the Secrets in My DNA” (Procurando a família: minha busca por minhas raízes e segredos no meu DNA) é um livro de caráter auto-biográfico e foi resultado da sua longa busca (de algumas décadas) por seus pais biológicos. O segundo livro “Guide to DNA Testing” (Guia para testes de DNA) dá aos leitores as informações essenciais para que eles escolham o teste de DNA mais adequado às suas necessidades. Ele também é autor do site DNA-Testing-Adviser.com e faz palestras sobre genealogia genética.

Quando identifiquei a família do meu pai biológico através de um teste de DNA em 2007 foi incrível. Mesmo dois anos depois, meu uso revolucionário da genealogia genética para solucionar este mistério ligado à minha adoção ainda foi motivo suficiente para ganhar a capa do Wall Street Journal.

A publicação do meu livro “Finding Family: My Search for Roots and the Secrets in My DNA” motivou muitas outras pessoas adotadas a tentar um teste de DNA. Agora que os preços dos testes baixaram significativamente para menos de 100 dólares para cada teste, mais de 3 milhões de pessoas já estão em banco de dados de genealogia genética, com milhares de novas pessoas fazendo seus testes a cada semana.

Colher a amostra de DNA é simples e não dói. Dependendo do teste que você escolher, você ou raspa o interior da bochecha com um cotonete, ou cospe um pouquinho de saliva em um tubo. Por exemplo, o teste de DNA do MyHeritage usa a primeira opção, esfregar a parte interna da bochecha com um cotonete simples, o que é feito em poucos minutos. Depois de muitas buscas bem sucedidas, eu condensei os procedimentos em 7 dicas para pessoas adotadas.

  1. Tente estar presente no máximo de banco de dados de DNA autossômico que puder. É essencial para o processo que hada múltiplos testes de DNA tanto de homens quanto de mulheres. Tente várias empresas diferentes para melhores resultados.Cada teste irá identifcar pessoas com as quais você compartilha um antepassado em algum lugar da sua árvore genealógica. Mesmo que a sua árvore esteja em branco, muitas das suas coincidências genéticas serão matches com genealogistas e árvores genealógicas grandes. O conhecimento deles pode ser a chave para o seu sucesso. Não há como dizer antes de fazer o teste, qual deles trará os melhores resultados. Cada empresa mantém bancos de dados separados, com pessoas diferentes, em sua maioria. E cada teste tem suas vantagens exclusivas, que você não terá em outro lugar. E já que você tem a chance de estar em quatro bancos de dados diferentes, por menos de 400 dólares, você deveria fazê-lo.Algumas empresas irão aceitar o upload de seus dados brutos de DNA. Por exemplo, se você já fez um teste no Ancestry, você pode pegar os seus resultados e fazer o upload dos mesmos no site do MyHeritage para receber matches deste banco de dados também.
  2. Faça um teste Y-DNA, se você for homem. Somente os homens têm o cromossomo Y. Eles o recebem de seus pais biológicos, que também receberam do seu pai e assim sucessivamente. Os sobrenomes geralmente são passados por esta mesma linha paterna. Assim os matches mais próximos, ou o maior número de coincidências em um teste Y-DNA poderá compartilhar o mesmo sobrenome que o seu pai biológico.Este atalho funciona em 40% dos casos. Algumas vezes, no entanto, ninguém daquela linha foi testado ainda. Ou pode ter havido uma mudança de sobrenome na linha paterna direta, ou um outro caso de adoção, ou o que chamamos educadamente de Evento Não Paterno (NPE na sigla em inglês). O Family Tree DNA tem a maior base de dados de Y-DNA, até agora. Faça o teste 37-marker ou superior, se você puder.
  3. Deixe de lado o teste de DNA mitrocondrial. Todo mundo tem DNA mitocondrial (mtDNA). Ele é passado somente pelas mulheres, de forma que o mtDNA traça a sua linha materna direta. No entanto, infelizmente, a maioria das coincidências de mtDNA que você receber vai apontar para antepassados em comum, que viveram há centenas de anos. Como os sobrenomes das mulheres costuma mudar a cada geração, este tipo de teste quase nunca é útil para pessoas adotadas.
  4. Saiba que a sorte e a geografia também contam. Conforme os bancos de dados vão crescendo, muitas pessoas adotadas estão recebendo um match diretamente com um pai, mãe, irmão, tio, tia ou um primo de primeiro grau. Estas pessoas são muito sortudas, pois assim eles podem completar suas buscas sem fazer muito esforço. Por outro lado, pessoas adotadas nascidas na Ásia, África ou em países da Europa Oriental, terão menos matches.Mesmo nascidos nos Estados Unidos poderão não ter sorte. Se seus pais tinham acabado de imigrar para o país, a maioria dos seus parentes estará fora dos Estados Unidos e você não terá tantas matches. Felizmente, os testes de DNA autossômicos mencionados acima incluem um relatório de origem étnica. Só isso já pode valer o preço do teste.Numa escala da sorte, a maioria dos adotados estarão na coluna do meio. Você encontrará muitos primos distantes ou não. Porém, ir analisando todos os matches, trabalhando dos antepassados mais remotos para os mais próximos irá exigir tempo e esforço.Devido ao banco de dados global de MyHeritage e sua extensa coleção de árvores genealógicas, o que é exclusivo do MyHeritage, pessoas nascidas fora dos Estados Unidos, ou com imigração recente da Ásia, África e parte oriental da Europa, terão uma chance melhor de receber matches com o teste de DNA do MyHeritage.
  5. Informe-se e busque ajuda online. Um bom local para começar é o meu “Guia para testes de DNA”. Trata-se de um livro eletrônico do Kindle, disponível no site da Amazon por apenas 1 dólar. É a introdução ao tema mais fácil e compacta que você irá encontrar. Você nem precisa ter um Kindle para ler o livro, já que a Amazon oferece leituras de Kindle gratuitas para computadores, tablets e celulares. A partir desta fundamentação teórica, você pode então explorar assuntos com mais detalhe no meu site dna-testing-adviser.com (em inglês). O site pode ser acessado através do celular, se você preferir.Uma outra grande fonte é a Sociedade Internacional de Genealogia Genética. Eles têm uma enciclopédia online e um fórum de discussões para novatos na área do DNA no yahoo.com. Finalmente, existem vários grupos de discussão no Facebook. Para ajuda específica para pessoas adotadas, junte-se ao grupo DNA Detectives.
  6. Use alguns sites de terceiros. Você pode fazer o download dos seus resultados brutos da maioria dos testes de DNA existentes. Em seguida, você pode fazer o upload do arquivo em um terceiro site, onde programas podem então extrair mais informações dos seus dados. Aqui estão três serviços que recomendo:DNAAdoption.com. Este site ensina e ajuda a fazer um processo chamado de “triangulação”. Alguns dos seus matches de DNA terão parentesco entre si. Se eles tiverem árvores genealógicas bem detalhadas, frequentemente você poderá encontrar o antepassado comum entre eles – que também poderá ser um antepassado seu. Os voluntários que trabalham neste site criaram algumas ferramentas online para encontrar e processar estes grupos entre as suas coincidências. Eles também oferecem aulas online e têm um grupo de discussão no yahoo onde você poderá fazer perguntas e receber respostas.GEDmatch.com. Este site tem uma grande variedade de ferramentas. Você pode comparar seu DNA com o de qualquer outra pessoa do site, para verificar se vocês têm DNA suficiente em  comum para serem parentes. Já que o site aceita dados de todos os testes de DNA autossômicos, aqueles que só fizeram um ou dois testes até agora irão quase que certamente obter alguns matches adicionais. Você também pode escolher diferentes funcionalidades para obter perspectivas diferentes da sua ancestralidade étnica. Eles também têm uma ferramenta de triangulação no seu conjunto de funções, que são disponíveis após uma pequena doação.Promethease.com. Por apenas 5 dólares, eles irão analizar seus dados brutos de DNA e lhe darão um relatório com algumas informações médicas.
  7. Use os testes certos para confirmar graus de parentesco. Quando uma pessoa adotada encontra alguém de sua família biológica, é necessário geralmente que se confirme o parentesco. Alguns testes de DNA autossômicos são bons o suficiente para confirmar vários parentescos próximos entre duas pessoas. Inclui-se aqui pai/filho, irmãos, meio-irmãos, tio/tia com sobrinho/sobrinha, avô/neto, primos de primeiro grau e geralmente primos de segundo grau. De qualquer forma, não gaste o seu dinheiro com tecnologias velhas para testes de “parentesco”. Estes testes só verificam uma meia dúzia de marcadores e são quase sempre inconclusivos.

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado

  • Edmundo Dos Santos Figueiredo


    março 13, 2017

    Há uma diversidade de apelidos estrangeiros (em relação a Portugal) que não permitem identificação da linha genealógica. Meu apelido de «Figueiredo» não surge entre as quase vinte pessoas com quem o meu ADN foi associado.
    Há três motivos – que eu saiba – para o desaparecimento dos apelidos:
    1) Em Portugal o apelido do pai não é obrigatório surgir em último lugar. Em Espanha por exemplo é o apelido da mãe que surge em último lugar e normalmente relacionado como o nome de linhagem.
    2) Há países onde os nomes intencionalmente são curtos.
    3) Como saber se um tal «Jung» é descendente de um parente meu?
    Obrigado.

  • Ivone Santana Silvino


    maio 31, 2017

    Já fiz este questionamentos pelo blog, e-mail e Fale Conosco e NÃO recebo resposta! Acusam o recebimento deles, MAS NÃO entram em contato comigo!!! Onde está o compromisso e a responsabilidade da empresa??? Investi muito dinheiro e depositei meus sonhos neste exame a troco de NADA?

    O KIT VEIO INCOMPLETO, SEM O PLÁSTICO (TIPO ZIPLOCK) PARA EMBALAR OS FRASCOS. O QUE DEVO FAZER? POSSO COLOCAR EM OUTRO PLÁSTICO??? POR FAVOR ME RESPONDAM!!!