De volta às raízes: uma família brasileira e outra alemã unidas por um antepassado comum

Comentários1

Hoje temos uma história transatlântica para contar. Uma história que mostra o que acontece quando encontramos ramos da nossa família do outro lado do oceano. De um lado temos Patrick, um alemão de 28 anos, estudante da pedagogia da economia e informática, bem como entusiasta da genealogia; e do outro Walter, um brasileiro também com 28 anos e também entusiasmado na busca de seus antepassados.

Os dois se encontraram há algum tempo e amizade veio reforçar os laços de parentesco que compartilham.

Walter comenta como foi que encontrou um “primo” através do MyHeritage:

” Eu lembro que há muito tempo (há mais de 10 anos) eu fiz vários cadastros em sites a procura de parentes e histórias do passado, sem sucesso, deixei em “stand by” e quando me dei conta já estava conversando com o Daniel Geiser [tio de Patrick] e tentando entender qual era nosso parentesco [Daniel é neto da tia-bisavó de Walter]. Foi o Daniel que entrou em contato comigo por e-mail. A língua dificulta a comunicação, mas com um pouco de paciência conseguimos nos entender.”

Patrick também se lembra de como foi este primeiro contato:

“O contato com o Brasil se iniciou há alguns anos com meu tio Daniel, da Alemanha. Conseguimos tornar os nossos laços de amizade ainda mais estreitos principalmente com o Walter Kunth (um descendente da nossa linhagem, na minha idade). O nosso parentesco vem de um antepassado comum, da Alemanha (Friedrich Albert Otto Kunth, *1853,  +1925).  Na geração seguinte, as linhas familiares já se separam, um dos ramos emigra, mas não direto para o Brasil e, sim, primeiramente para a Sumatra.

A emigração para o Brasil acabou acontecendo em 1948. Mas como foi esta ida da Sumatra para o Brasil, nós ainda não conseguimos descobrir. Só sabemos que o motivo deve ter sido a Segunda Guerra e a invasão da Indonésia pelos japoneses.”

Após estabelecido o primeiro contato, era hora dos parentes tentarem identificar o grau de parentesco correto. Walter relembra:

“Nós fizemos uma arvore genealógica com os principais membros da família até nossos tataravôs (meus e do Patrick) para explicar nosso parentesco, trocamos fotos, histórias e até tentamos reunir documentos para que eu pudesse pedir minha cidadania alemã, porém, desisti devido a burocracia e falta de interesse. Eles me ajudaram com um registro de nascimento do meu bisavô na Alemanha.”

Patrick também comenta sobre a amizade que acabou surgindo para complementar os laços familiares:

“Até agora nós ainda não conseguimos nos visitar pessoalmente. Mas assim que eu terminar minha graduação, eu quero ir para o Brasil, para conhecer pessoalmente os parentes e o país. Ambas as coisas são muito importantes para mim”.

E o Walter reforça:

“Nós já trocamos presentes e lembranças neste último Natal, acredito que um encontro presencial não demorará a acontecer.”

Patrick também começou um projeto super interessante – o genpas.de – em que ele mostra como fazer pesquisa da história da família através de cartões postais. Ele criou a sua página em janeiro deste ano. Tudo começou com os cartões postais que ele recebia dos parentes do Brasil (ou seja os familiares do Walter). Estes postais ajudaram a família alemã a reconstruir a jornada dos seus antepassados. E foram o pontapé inicial para a empreitada da busca da memória familiar. Eles encontraram também listas de passageiros e muitos outros documentos.

A ideia principal do genpas.de é de possibilitar um arquivo global, em que as pessoas do mundo todo possam pesquisar. Quem quiser participar pode fazer o upload do seu postal (que precisa ter sido postado antes de 1930) e liberá-lo para a pesquisa genealógica. Os participantes também podem ajudar na tradução e digitalização de cada postal. Depois, é possível fazer pesquisa no banco de dados, a partir do nome e local. Com sorte, você poderá encontrar um cartão postal do seu antepassado.

Muito obrigada a Walter e a Patrick por seus relatos. Desejamos muito sucesso na pesquisa dos dois e aguardamos ansiosos pelas fotos, mostrando como foi este reencontro familiar!

E vocês também têm um reencontro para contar pra gente? Entre em contato através do email: brasil@myheritage.com.

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado

  • Eber Beck


    outubro 4, 2016

    Excelente historia