Volta ao mundo digitalizando cemitérios

Comentários2

Como parte da nossa iniciativa de digitalizar cemitérios em todo o mundo, fomos contactados por um casal com uma ideia bastante interessante, que acabou catapultando-os a uma aventura internacional.

Michael Kerr e sua esposa Sabrina Rowe decidiram deixar para trás o conforto do lar para pedalar pela Europa, parando para fotografar cemitérios inteiros no caminho. Todas as fotos estão sendo compartilhadas gratuitamente com todos os usuários de MyHeritage e BillionGraves.com.

Michael e Sabrina sempre adoraram viajar, mas eles estavam buscando uma coisa maior, do que a viagem de curta duração, que faziam a cada ano. Começaram então a buscar um trabalho que não os prendesse a um só local. Assim, eles desenvolveram um software que podia ser trabalhado à distância, em equipe, para empresas que permitiam aos seus funcionários trabalharem de casa, mas mantendo acima de tudo, uma ótima comunicação com a matriz. Depois eles conseguiram trabalhar com TI como frilas e com mídia social para uma empresa canadense que opera somente de forma virtual.

Finalmente, em maio de 2011 eles fizeram suas malas e armazenaram todos os pertences de um apartamento em Montreal e deram início a uma aventura. Eles decidiram pedalar para melhorar o condicionamento físico e para poderem ver mais facilmente as belezas do caminho.

Apesar do rigoroso treinamento que fizeram como preparação para a viagem, o início foi bastante difícil.

Acho que todo mundo que inicia uma aventura como a nossa dirá a mesma coisa: o treinamento de verdade começa nas primeiras semanas da sua viagem. O que vem antes não conta. Após anos e anos sentado no trabalho, aquelas primeiras semanas nos mostram tudo aquilo que a gente deixou de fazer… tudo dói, o tempo todo! Apesar de tudo, o esforço valeu à pena e fomos recompensados desde o início.

Tudo começou na costa oeste do Canadá, nos parques nacionais das Rocky Mountains, de onde eles seguiram para Vancouver. Eles prosseguiram rumo ao sul e aos Estados Unidos. Fazendo a famosa rota, que é um paraíso para qualquer ciclista, na Highway 101, até chegarem em São Francisco, já na Califórnia.

O primeiro verão e outono foram barra pesada. Tínhamos que combinar o trabalho 3 vezes por semana, com 10 horas de pedaladas diárias nos outros dias, sendo turistas o tempo todo – o que exigiu um enorme planejamento. Mas, por outro lado, foi também uma experiência simplesmente incrível, nós estávamos completamente inseridos na natureza quatro vezes por semana, perto de lugares verdadeiramente mágicos e de paisagens que a gente só sonha.

Na primavera seguinte o casal voou para Dublin e desde então eles já pedalaram por toda a Europa e deram até uma esticadinha até o Marrocos, em um inverno.

Sabrina sempre considerou cemitérios locais muito interessantes devido à história e perspectivas em termos de arte, religião, conexões sociais e familiares. Durante a graduação ela pediu uma bolsa de pesquisa para estudar e fotografar cemitérios rurais e procurar pistas da união social com as comunidades por eles servidas.

Desta forma, com o início da empreitada, Sabrina e Michael começaram a parar nos cemitérios que eles encontravam pelo caminho, tanto pela tranquilidade do local, quanto pela história do local. E assim eles começaram também a fotografá-los. Cemitérios dizem muito sobre as pessoas e os costumes locais, o que faz com que eles sejam um grande local de aprendizado local, ou seja, um componente importantíssimo numa viagem deste tipo.

Durante a última primavera, nós estávamos na Romênia, esperando por condições climáticas mais favoráveis aos nossos tours de bicicleta, quando recebemos a newsletter do MyHeritage sobre a iniciativa conjunta com o BillionGraves, para digitalizar todos os cemitérios do mundo e, para nós, esta foi uma notícia maravilhosa. Eu realmente pensei: nossa, eu nasci pra isso. E esta ideia combinava muito com Michael e comigo: nossa vontade de viajar, nossa admiração por cemitérios e as nossas habilidades na fotografia, tecnologia e trabalho à distância. Graças ao nosso tour de bike, nós já estamos acostumados a estar ao ar livre e ativos o dia todo, lidando com o clima que temos, não importa como ele esteja.

Michael e Sabrina entraram em contato com o MyHeritage e nós os contratamos para fotografar os cemitérios que eles encontram ao longo do seu caminho.

Digitalizar sepulturas é para nós uma forma única de analisarmos os cemitérios e de desenvolvermos a nossa viagem de forma a acomodar ainda mais tempo para explorarmos a fundo os locais que visitamos. E, ao nosso ver, ainda coloca esta viagem numa perspectiva maior, já que podemos ajudar a criar um registro visual e espacial de cada sepultura, conectando-as ao presente e preservando-as para a posterioridade.

De acordo com o casal:

Quando você viaja de bicicleta, a experiência é muito diferente de ir de carro ou de avião. É muito mais real e íntima e você tem que lidar com os vários desafios a medida em que eles surgem, sejam eles ursos, estradas perigosas, tempestades, ou ter que economizar água em montanhas – como aconteceu conosco.

Mas esta viagem está sendo fantástica demais para desistirmos. Nós já passamos por 28 países e este foi só o começo.

Você também gostaria de fotografar cemitérios para nós, ao redor do mundo? Escreva um email para cemiteryteam@myheritage.com.

Deixar um comentário

O e-mail será mantido em sigilo e não será mostrado

  • Luiz de Freitas


    outubro 20, 2014

    uma pequena correção:
    “Assim, eles DESENVOLVERAM um software…”

    • Karen


      outubro 27, 2014

      Obrigada Luiz, já corrigimos!