16    out 20117 Comentários

Uma pequena reflexão

Nos últimos dias, alguns notaram outros não, postei pouco em nosso blog. Tenho a obrigação de postar todos os dias, afinal, amigos se falam todos os dias. Há um motivo. Acredito que aconteça com todos e não seria diferente comigo, pois existe alguém por trás das palavras aqui no blog. Também tenho meus altos e meus baixos, meus dias ruins e meus dias bons. Sou igual a todos.

Eu não diria que os últimos dias foram fáceis ou dias difíceis, foram dias estranhos. Isto. A palavra é mesmo "estranho". Quase não entendi o que estava ocorrendo, derrepente assim como estar dentro de uma bolha, nada do que eu produzia conseguia sair do meu perímetro, tudo resvalava em uma parede invisível e retornava a mim. Eu estava extremamente irritado com isto, isto me incomoda.

Nos últimos anos, meu trabalho me levou a criar um ritmo intenso de aproveitamento de horas para me permitir atender a todas as necessidades que apareciam. Virei uma espécie de linha de produção, nem percebi isto, pois para mim sempre foi a coisa mais natural do mundo produzir, produzir, produzir.

Desde muito cedo adotei esta postura. Eu me defino e sou definido como um workaholic sem as neuras impressas na definição é claro. Mas me dedico muito ao trabalho e lamentavelmente me sacrifico muitas vezes e sacrifico coisas importantes.

Uma notícia ruim na família, a morte de um parente, o velório, as condolências e a constatação de que eu não somos de totalmente perfeitos.

Já aconteceu com você?

Revi alguns valores e ponderei outros e cheguei a conclusão que tinha que alterar algo no meu modo de ser, talvez o trabalho? Não. Talvez as amizades? Não.

O meu modo de me relacionar com a família.

Depois de uns telefonemas, algumas roupas na bagagem, pé na estrada. Fui ver meus filhos.

Esta vida de distancias, onde a comunicação se tornou virtual, som, imagens e comentários em redes sociais é maravilhosa pois aproxima as pessoas, mas tira o sabor de se sentir a pessoa.

Passamos centenas de dias conversando, trabalhando, nos comunicando com pessoas sem ao menos vê-las.

Gastamos horas em Redes Sociais, em milagrosos iPads, iPhones e outras maravilhas e esquecemos que a melhor parte é realmente o contato físico.

Recentemente em minha árvore genealógica, um dos ramos se reuniu para uma confraternização, eram pessoas que nunca tinham se visto, nem se tocado e nunca tinham conversado tetê a tetê. Foi um belíssimo encontro, e todos puderam se conversar, dividir situações engraçadas, participar de brincadeiras uns com os outros e principalmente se abraçarem.

Reunião da Família Faraco

Este contato às vezes nos fará muita falta, assim como aconteceu na despedida de meu parente, vi que eu tinha negligenciado a sua presença, e o tempo que poderia ter feito uma pequena viagem de carro, a poucos quilômetros, poderíamos ter tido um pouco mais de contato e não somente a minha visita em sua despedida. Pude rever de primos e outros, e aproveitei para abraçá-los.

Fui ver meus filhos, eles também estão neste grupo de negligenciados.

Conclui que existem horas que nenhuma tecnologia é maior que o encontro dos Faracos, a tecnologia ajudou, o site MyHeritage ajudou, pois foi de uma árvore genealógica que partiu a ideia do encontro. Eles agora se conhecem, e vão repetir mais vezes estes momentos felizes. Nada de extravagante, apenas abraços.

Na sua árvore existem também diversos parentes que você nunca viu, porque não montar o seu encontro de Final de Ano? Quer a nossa ajuda? Entre no seu site online, marque uma data, um local e uma hora, e espalhe a noticia. espere as confirmações. Você poderá ter uma grata surpresa ao descobrir o numero de respostas positivas e de pessoas que querem conhecer seu parente. Você.

Quer postar sua foto de encontro de família, me mande um email.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atendendo ao nosso pedido, o leitor João Caetano Nogueira nos enviou a foto do encontro de sua familia.

O encontro da família Franco foi realizado na cidade de Avaré - SP, no dia 11 de setembro último, estavam presentes 75 pessoas. A mais idosa foi a Srª.Josephina de Carvalho Franco (86), casada com profº Severo Messias Franco (falecido), em seguida minha mãe Srª. Jeni Franco Nogueira (84), casada com Sr. Boanerges Nogueira (falecido). A criança mais nova foi a Aressa Costa Nogueira, (15/12/2008) filha de minha prima Leila Franco Costa Nogueira.
Foram momentos felizes de abraços e reencontros calorosos, no recinto da Acampamento Cristo é Vida,  sob a direção do Revº. Levi Franco de Alvarenga da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil.

Comentários (7) Trackbacks (0)
  1. Só posso dizer, mediante todo esse descobrimento, que achei lindo esse seu encontro que o tempo assim permitiu.Fica aqui uma desconhecida que a admira pela coragem e pelo sabor do encontro.Amo encontro em família.Amo encontrar :quem amo,quem de longe cuido e de quem mora em nossos corações.Beijos eternos e viva os encontros!!!
  2. Engraçado....add este blog meu face, leio diariamente o que escreves, concordo, discordo....mas para mim era simplesmente um blog! Nada de humano por trás. Mesmo a frase de chamada, não é tão chamativa assim.....aí meus olhos foram captados pelas simples palavras: Nos ultimos dias, alguns notaram ou não..... e ai me dei conta....você esta ai, do outro lado, pesquisando, escrevendo mensagens lindas, sinceras e verdadeiras. Você existe, é gente e deste planeta. Sofre, têm alegrias, tem familia, têm voz e coração e sentimentos iguaiszinhos aos meus! Olá Walter prazer em conhecê-lo, meu nome é Rosangela, a partir de hoje sua amiga que curte muito seu blog.
  3. Lindas e sábias palavras, Walter! Você tem toda a razão! Nada substitui o contato, a pele, o abraço. Redes sociais ajudam mas não podem jamais substituir um olho no olho. Que bom que você foi a este encontro e que bom que compartilhou conosco (que sentimos a falta sim dos seus post diários!) um momento tão especial e pensamentos tão íntimos.
    Um grande abraço e não nos abandone!
    Karen
  4. Oi Walter: realmente notamos sua mini ausencia, porem não se sinta culpado ou constrangido. Esta pequena reflexão, alem de brilhante, foi por demais ilustrativa e esclarecedora. Muitos de nos provavelmente gostariam, de responder todas, e demais mensagens, porem não o fazem, ate no sentido de poupa - lo, de eventualmente responde - las. Complementando sua frase acima: "amigos se falam todos os dias", eu diria amigos se entendem, e se perdoam todos os dias. Este e' o caso tambem, de seus leitores e admiradores. Parabens pelo reencontro em familia, e um grande abraço.
  5. Boa tarde Walter!
    Sim, acompanho seu blog e percebo quando não te encontro mas assim é o meu dia a dia. Já faz tempo que me relaciono quase que só virtualmente com meus parentes e a maneira que encontrei foi a árvore. No entanto também sinto falta do tempo em que vivíamos por perto, nos abraçávamos, nos tocávamos. Seu blog já é parte da minha correspondência e aproveito para agradecer por se dispor a partilhar conosco seu conhecimento, sua vivência. Se por um lado lamento por sua perda, por outro quero lhe dizer que "saudade é o amor que fica" Portanto, viva sua saudade e felicidade junto aos teus. Sempre grata por sua partilha conosco, Maria do Carmo
  6. Parabéns
    Excelente artigo.
    Compartilhamos os mesmos sentimentos.
    Obrigado

    (a propósito, continuo com aquele "probleminha" em visualizar minha árvore)
  7. Bom dia, amigo Walter!
    Senti sim sua falta e procurando por mensagens do blog no meu e-mail (q tb andei negligenciando) me deparei com uma mensagem nada normal. Digo normal pq essa sua mensagem me chamou a a tenção e me deu uma pontada no coração. Me assustei a princípio e senti uma aflição com o início de suas palavras.
    Vc tem toda a razão, amigo, as vezes negligenciamos estar presente de quem amamos por causa da nossa costumeira correria do dia a dia. Mas Temos q sair fora do contato virtual p sentir o calorzinho do contato físico e aproveitarmos essas ocasiões enquanto é tempo.
    Eu então q estou longe...ai ai, minha vontade agora é fazer as malas e voltar correndo pra Minas...mas infelizmente ainda tem esse marzão q nos separa e não só, há outras coisas tb q infelizmente no momento me impedem de ir agora. Vc me fez abrir os olhos, Walter. Olha, te admiro muito, mesmo n te conhecendo (agora) pessoalmente...vc é uma pessoa maravilhosa. Beijinhos e muita luz em seu coração em sua caminhada.

Deixe um comentário

Enviar

Deixe um comentário
Insire um nome
Por favor introduza um endereço de email

Sem trackbacks

Sobre nós  |  Privacidade  |  Diga a um amigo  |  Suporte  |  Mapa do site
Copyright © 2014 MyHeritage Ltd., Todos os direitos reservados